Estrelas do meu céu...

domingo, 12 de fevereiro de 2012

(entre)Caminhos


Ao som de "Runaway", The Corrs

E conhecer-te é transcorrer letras e palavras não estranhas, e perceber que o que sentes é o que sinto (por pessoas diferentes até quando?)...
Não sinto medo deste percorrer. Queria ir mais rápido e veloz por esta estrada de letras-sorriso e sentimentos-olhares e te encontrar por entre as exclamações e seguir contigo para um final feliz. Me deixa guiar-te pelas virgulas e interrogações que possam se nos apresentar?
E entender-te é entregar-me de pensamento, sentimento e corpo para que modeles como quiser e, quem sabe, ter um amor só seu para gostar e eu ter um amor só meu para voar e termos um amor só nosso para viver...
E desejar-te, infelizmente, parece apenas um sonho do qual não quero acordar agora, pois que traz um sorriso em meus lábios e uma esperança em meu coração...
Mas querer-te, mesmo que a realidade me esmague as intenções, é ser um pouco mais feliz e perceber que isto nunca mudará, pois que mais que com imagens, conquistou-me com maneiras de ser você e gravou-as, mesmo sem querer ou perceber, em mim!

(e fazer o que deste momento do meu coração?!)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Frase sentimental nº 25


Ao som de "Ciclo", Jorge Vercilo

Ancora tua vida na minha, navega comigo pelos mares de amores, desejos e planos e vem descobrir sonhos bons e realizações de mel... Nossa vitória está nas terras do amor que já nos aguarda logo na esquina!

(e não quero mais nada além disso que cresce em mim...)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Pra ser seu


Ao som de "Avesso", Jorge Vercillo

Vem! Se desenrole da corda do passado, tecida em incertezas e preceitos/preconceitos. Olhe pra frente... agora: estou aqui te olhando, te desejando...
Deixe seus medos e planos entregues ao vento... os resgataremos mais para frente! Agora somos eu e você.
Não será justo que também sejamos felizes da maneira que percebemos ser certo? O que o mundo sabe sobre  o amor e a felicidade de nós dois?
Apenas "vem"! O acaso não existe; eu sei, você sabe. Deus, o destino ou o nome que quiser dar nos uniu... e estou aqui pra você, totalmente seu!
Meu carinho, quase amor, não é suficiente para conquistar seu coração e seu "sim"?
Não é um pedido de "casamento", por enquanto (risos), mas você ficaria deslumbrante de moda havaiana, num campo ou praia, ao por-do-sol como testemunha de um amor imortal...
Não me saem seus olhos e sorriso da mente, das fotografias que mais gosto de você! São eles que preciso ver no nosso momento pra ser feliz pra sempre...
Vem meu bem, vem... não reprima esse sentimento-desejo-carinho. Faz mal guardar o que pensamos e sentimos... deixa eu ser o seu alívio para esta e outra vida, seja em vida, seja em escrita!
Mas ai de mim sem meus momentos de entrega-escrita, pois que ainda preciso delas para estar perto de você; por enquanto, certo?!
Jorge Vercillo? Por ora traduz meus sentimentos, desejos e experiências... penso em você ao ouvir  esta música (todos os dias pelo menos 20 vezes). Por ora, pois o futuro nos aguarda com uma taça de vinho, um beijo molhado e uma aliança de compromisso.
Não tenha medo. Vou te sustentar... apenas dê esse primeiro pequeno passo para a felicidade. Eu estou te esperando no fim da estrada de tijolos amarelos!

(me aceita? p.s. ouçam e entendam a música. A imagem é homenagem.)

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Escorre por túmulo recém cheio



Ao som de "Cold as stone", Lady Antebellum

Apenas agora percebo que estava dirigindo. Enquanto o automatismo do volante guia para um rumo incerto, eu me perdia nas gotas de chuva que escorriam pelo vidro do carro. E enquanto a consciência dia "perigo" a inconsciência, minha amiga de muitos momentos, diz "vai", e sigo pela estrada a fora, sem noção do que o volante faz por si só.
...
Não sei bem o que estou sentindo: se dor, se medo, se nada... acho que estou naquele primeiro momento da criança quando chora, se levanta de uma queda, e está sem fôlego, tamanho o susto e a dor! É... acho que é esse o momento: um choro sem som. Apenas uma dor tão profunda que não consigo colocar pra fora em lágrimas, gritos ou o que possa me fazer externar o sentimento-sensação.
Me refugio então nas músicas que tocam pelo pen drive...
"- Preciso reformular minhas músicas... essas baladas românticas são tolices! O amor não existe" - penso entre uma lágrima que teima em escorrer, os vidros do carro que embaçam e uma nota down nas caixas de som.
As lágrimas encontraram o caminho; saem desenfreadas. Paro o carro e caio no choro.
"- Por quê? O que eu fiz de errado? Por que, meu Deus? É pra eu ser sozinho no mundo? Se for, fala logo pra eu parar de tentar ser feliz com alguém!" - grito sufocado, sentindo que meu choro abafava estranhamente minha voz.
A resposta de Deus foi aumentar a chuva. Talvez com isso Ele queria dizer "Eu estou aqui, meu filho... vai dar tudo certo! Tenha fé". Apenas chorei mais e mais...
...
Quando tudo o que estava preso foi liberto e percebi com certo remorso que estava com os olhos muito inchados de chorar, voltei a dirigir consciente do caminho a tomar: minha vida.
Mas dessa vez dirijo para um recomeço! Desta vez uma nova maneira de me fazer e viver, principalmente as relações amorosas....
Enterro aqui o passado e as dores e deixo que os "mortos cuidem de seus mortos".
Não sei quando conseguirei sentir novamente o amor, como senti. Apenas vou vivendo... nada mais e nada mesmo.

(um passo de cada vez... dói muito)