Estrelas do meu céu...

sábado, 24 de dezembro de 2011

Um outro natal


Ao som de "Deck the rooftop", Glee

"- Isso são horas de chegar mensagem?", penso um tanto irritado pela "Hello" que toca em meu celular evidenciando que uma mensagem acabava de chegar, às 6:15 da manhã.
Espreguiço longamente, relembro alguns fatos da noite finda, percebo o que se passa à minha volta e me alegro: é véspera de natal!!!
Mais do mesmo depois disso: mais espreguiço, oração, me arrumar, café da manhã, espreguiço, compras de última hora, mensagens para todos os conhecidos pelo celular, chocotone com leite, lembranças das pessoas que amo, lembrança das que eu queria que estivesse comigo nesse dia (uma em especial pela eternidade), correria... tudo como, para mim, deveria ser!
No almoço, muito barulho: família reunida é tudo igual, eu acho... risadas, falação alta e brincadeiras bobas!
Só para não perder o habito, a tarde entrei na net um pouco para desejar e receber os companheiros virtuais os desejos de felicidades nesse natal e tentar colocar em dia minhas séries favoritas.
Abraços e felicitações distribuídas pessoalmente aos melhores amigos (os que consegui ver, faltaram alguns infelizmente) e expectativa para a ceia à 00:00 horas.
Minhas irmã teve as "honras da casa" este ano e fez uma oração que me tocou muito! Agradeci a mesa farta, pedi consolo, força e perseverança para os que sofrem, imaginei Jesus menino nos braços de Maria, observada de perto por José, envolvidos na luz intensa de seus amores e evoluções inimagináveis e deixei algumas lágrimas descerem por meu rosto...
Depois, abraços na minha família, a "sagrada" que Deus me deu nesta vida, comer um pouco (não dá pra entrar em 2012 fora de forma, rs), atender algumas ligações inesperadas e esperadas que balançaram meu coração sentimental no dia e arrumar a cozinha (um dos meus presentes de natal para minha mãe, rsrs); acho que os pratos e vasilhames estão brotando... nunca vi tanto pra lavar!
Um bocejo diz do sono que chegou; meu sapato 43 colocado aos pés da árvore de natal diz que nesta noite, nesta data, sempre vou voltar a ser criança, esperando meu presente na manhã seguinte; meu coração acalentado por inúmeras pessoas de meu bem querer afirmam o quão grandioso é amar, mesmo à distância...

(mais um natal com vocês, meus leitores queridos... Feliz Natal a Todos!!!)

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Sonho?


Ao som de "I'm a slave 4 U", Britney Spears

"- Você quer?" - me pergunta ao pé do ouvido, sem deixar de agarrar cada centimetro do meu corpo.
"- Eu quero!" - respondo entre excitado e temeroso. O lugar é adequado?
De repente, tudo parece fazer sentido: seu corpo toma forma no meu e nos encaixamos como se fossemos feitos um para o outro. De que vale essa diferença de tamanho? Mãos, pernas, desejos... tudo conectado e expressamente liberado. Hoje podemos tudo!
E enquanto vai descendo sua lingua pelo meu peito, depois de ter tirado minha camisa com certa pressa, alternando entre mordidinhas e beijos doces, fecho os olhos e me entrego ao prazer... um suspiro me escapa, um gemido excitado arrepia meus pêlos, enquanto suas mãos redesenham meu corpo de maneira única, demorando-se nas partes que te agradam mais.
Onde estava esse olhar safado que não encontrei antes?
Vou deixando você tomar atitude... parece lhe agradar mais! Seus dentes percorrem todo meu corpo, sedentos de mim; eu simplesmente sussuro "- Sou todo seu!"...
Me agarra com força, puxa meus cabelos enquanto minhas mãos descem para o ziper da sua jeas. Seu olhar se intensifica no meu, meu sorriso se abre, minha roupa já está no chão; tiro depressa a sua e simplesmente me entrego a tudo que meu corpo pede naquele momento.
...
"- Alô..." - digo sonolento sem olhar de quem é a chamada.
"- Bom dia! Uai, ainda dormindo?" - uma risada se faz ouvir do outro lado da linha.
"- Quem fala?" - meu cérebro não estava funcionando direito.
"- Ah, valeu viu?!" - finge mágoa e dá uma risadinha.
"-Ah... oi... bom dia" - também sorrio entre um bocejo e um espreguiço...
Viajo à velocidade do pensamento, repasso tudo de algumas horas atrás e, enquanto continuo a conversa por telefone, relembro os detalhes corpo-sensação-lembrança e suspiro pensando que quero mais!

(O calor definitivamente afeta minha escrita, rsrsrsrs)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Fio


Ao som de "My reflection", Christina Aguilera

Um turbilhão passou por minha mente quando me vi pelo espelho do banheiro. Achei que fosse ilusão da luz ou meus olhos que ainda não se abriram de fato para o novo dia que nasceu ha algumas horas. Sei apenas que fiquei encarando aquela pequena parte de mim que demonstrava o que vinha acontecendo desde que nasci: um fio de cabelo branco em minha cabeça me dizia que eu estava envelhecendo!
Sei que é o primeiro de muitos (e quero que venham muitos... acho muito charmoso, não acham?) mas este é especial! Como esperei até que chegasse... Queria que tivesse vindo há alguns anos, aos 15 para ser exato, como prova inconteste de que estava maduro o suficiente para ficar até a 1:00 da manhã na balada com meus amigos, ou aos 16, quando quis fazer minha primeira viagem totalmente sozinho e responsável por mim mesmo...
Engraçado como esse pequeno fio branco em uma cabeça cheia de cabelos cacheados e pretos fez diferença para mim. Meu coração disparou e percebi que o nó em minha garganta não era de tristeza, visto que nunca temi a velhice como muitos da sociedade atual, e sim de uma alegria e orgulho indescritíveis.
Para mim, este fio é um sinal de que estou vencendo, entre trancos e barrancos, as dificuldades da vida; um sinal de que a maturidade, mesmo aparente, finalmente me chegou (no momento exato) e que estou pronto para desafios maiores; sinal de que as responsabilidades que estou querendo assumir estão ao meu alcance e que sou eficientemente capaz de vencer (às vezes tinha dúvidas... engraçado como esta pequena "prata" me fez acreditar ser possível)!
A vida não me assusta tanto quanto antes (engraçado, né?!); os amores que tive, ainda me doem, mas não me fazem sofrer por ora. Os amores que vou ter não me farão sofrer porque não vou deixar que aconteça...
Ainda sou o Ton, o Tonton, o Bailarino, o Evérto, o Boizão, o Nego e tantos apelidos quantos recebi ao longo desses 26 anos bem vividos. Também continuo sendo o mesmo sapeca implícito, o mesmo brincalhão, o mesmo sério demais, o mesmo responsável, o mesmo safado e tantas outras definições que recebi nessas trajetórias que percorri... Mas hoje, mais que nunca, me sinto plenamente Éverton, homem em construção, menino em desenvolvimento e Ser Humano comum e complexo, com muito pra viver e aprender, com muito para ser e ajudar outros a serem!

(diário explicito para dizer: Eu, simples assim!)

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Asas



Ao som de "Fighter", Christina Aguilera

Vi seu olhar de dor quando recebeu a notícia e percebi como a ferida foi profunda em seu coração.
Vi a força de sua escolha e a coragem de suas atitudes enquanto sangrava silenciosamente, em lágrimas ocultas, perante o punhal que lhe atravessava a alma sinceramente branda e pacífica...
Que posso fazer para diminuir a dor que te sufoca? Meu ombro, braços e abraços estão aqui, prontos para te afagar a traição inimaginada.
Mas o que é a vida sem essas pedra que aparecem no caminho? Que sentido tem seguirmos sem que os pés cansem ou sangrem um pouco para darmos valor à caminhada? Uma ave que voa pela imensidão não precisa cansar e fortalecer suas asas no treino para alcançar voos cada vez mais altos? E, o que é a vida senão, mesmo com todas as dores, dificuldades e trabalhos, expressão plena de amor pelo que se faz?!
Sabes que tentam nos parar, aprisionar e vencer, mas o movimento apenas cessa quando a vida deixa de existir e mostras tanta vida enquanto dança e faz brilhar seu sorriso por entre os pliès e arabesquès que é impossível parar sua subida constante (talvez por isso você foi e sempre será um dos membros do "Asas")...
Infelizmente, nem todos entendem a grandeza de um sacrifício, visto que sacrificar para muitos é ser fraco ou ser bobo. Não vejo bobagem numa entrega pelo que se acredita, uma vez que esses movimentos vem do coração... não vejo pequenez em ser o que se é, mesmo que outros tentem pintar uma ilusão aos próprios olhos.
Siga... siga sempre, mesmo quando pareça mais difícil! A árvore apedrejada é aquela mais abundante e que produz os frutos mais suculentos... é o seu caso!
E, se ser cristão é saber se humilhar quando preciso, é também saber bater a poeira das sandálias e continuar a caminhar para Jesus.

(para Juliana Soares... você entende o que quero dizer, né?! Te amo e estou sempre aqui!!!)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Marcas tristes de momentos bons


Ao som de "If I knew then". Lady Antebellum

Parece que a vida ri ironicamente das lembranças quando, "sem querer querendo", ouço nossa música na rádio (nossa?). É estranho conceber um mundo de lembranças dolorosas, quando foram construídas em momentos tão gostosos de carinho, cumplicidade e intimidade... ai se eu pudesse parar o mundo, fugir da nostalgia torpe que me invade e explodir-me coração e mente em um milhão de pedacinhos!
Quem sabe assim meu amor não ficasse eternizado em cada partícula de poeira cósmica que navega pelas estrelas incontáveis do universo?! Quem sabe essa chuva galáctica não mostre aos frios corações como é bom amar, mesmo que a dor venha depois?! Quem sabe por alguns milésimos de segundo, quando visse como o céu parece mais estrelado, seu pensamento voltasse para mim e minha fragmentação fizesse algum sentido depois do seu partir...
Meu olhar se perde na janela entreaberta do quarto e me pego tentando lembrar onde ainda guardo os objetos-elos que mantenho desse passado que foi bom, enquanto vejo as nuvens formarem uma leve tempestade em homenagem à música que toca no rádio. Faz sentido guardar o que não significa nada hoje (pra você)?
Descalço as chinelas e vou para fora de casa caminhar sem rumo... andar na chuva torrencial parece bom para misturar gotas e lágrimas, dor e saudade!

(que a chuva leve também esse descompasso no peito desse diário explícito)

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Quando o tempo não para II


Ao som de "Our king of love", Lady Antebellum

E os sonhos se foram sem dizer adeus ou pedir permissão, como eu esperava que fizessem um dia. E com eles foi-se embora meu coração, e ficou um vazio estranho... estranho como pareceu que o tempo parou, na verdade!
Mas assim como se foram, de repente voltaram, e trouxeram consigo a esperança para acalentar esse coração que ficou vazio e incompleto.
Acho que vejo a certaza de um futuro bom... finalmente!

(a vida sempre me surpreende)

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Meio assim


Ao som de "Wanted you more", Lady Antebellum

Meus passos pareciam ir em direção nenhuma quando me dei conta que caminhava. Um mundo estranho circundava minhas emoções e simplesmente não pediam licença para cravar unhas afiadas em minh'alma, onde "eu-ser" ficava como marionete de pensamentos turbulentos e desejos infames.
Onde as verdades dúbias? Resolveram distanciar-se nesses momentos cujo fragmento era demasiado grande em mim, qual canyon sinistro de neblina espessa e brilho cativante?
Não havia nada que chamasse a atenção ao redor e aqueles meus olhos, ora ansiosos, ora tristes, ora esperançosos, não divisavam nada, pois que nada buscavam em especial...
Onde as cafeterias desta cidade de sonhos para o capuccino com creme e os biscoitinhos de todos os sonhos?
"Porque sinto falta de mim às vezes não significa que não possa ser-me", penso sozinho na escuridão desse poste que falta justamente o que preciso. Caminhar mais não me excita e ficar parado tão pouco me entretem. Falta algo...
Por que sinto sua falta? (Acho que encontrei a pergunta que faltava)
Bem, novamente abastecido pela curiosidade, hora de voltar a buscar uma resposta que pelo menos me faça voltar a sonhar com luzes, croissants e belos corpos em uma piscinas de vapores!

(quero meus sonhos de volta! sugestão: baixem e ousam a música, vale a pena!)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Sei...


Ao som de "Broken", Leona Lewis

Sei:
  que prometi não falar mais nisso,
    que iria seguir a minha vida,
      que deixaria você seguir a sua vida...
Sei:
        que prometi não mais pensar em você,
          que arrancar-te-ia do meu coração e da minha vida;
            que acabaria com qualquer vestigio de que algum dia já amei você...
Sei que:
                te pedi para não pensar mais em mim;
                 disse para fazer do fantasma do passado uma ilusão da sua mente;
                   implorei para que você não me procurasse mais...
E:
  Por que disse que me amava, se não ficariamos juntos?
     Por que disse que era melhor assim, se estariamos longe um do outro?
        Por que não consigo seguir, se você não me quer mais?

O que fazer agora, já que sei que:
           Você é quem eu verdadeiramente amei;
             Quem realmente me faz feliz, mesmo longe;
                Que verdadeiramente me faz enxergar um futuro a dois...?

(para a nostalgia que me abateu... sei que tenho que seguir, mas volta pra mim...?!)

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Vida bandida nº 1

 
Ao som de "Lady Marmalade", Moulin Rouge
 
Isso... puxa meus cabelos, geme em meu ouvido enquanto descubro seu corpo com meu corpo, morde meu ombro enquanto te pego com vontade, diz que sou o único que te faz feliz e me deixa te levar ao infinito do prazer selvagem e bom... depois, prometo que saio de fininho da sua cama, te dou um beijo leve na bochecha para não te acordar, pego o que é meu (e você me deu de bom grado), e te procuro de novo só quando me telefonar para mais uma dessa...

(abana que o calor aqui é mato... rsrsrsrsrs)

domingo, 13 de novembro de 2011

Fome nº 1


Ao som de "Burning Up", Madonna (Glee version)

Quero uma porção de você (aquela mistura agridoce de beijos, amor, amassos, ciúme e tudo mais dos primeiros momentos), regrado em bastante desejo e esperança, flambado em paixão, salpicado de sonhos e emoções, servido em seu corpo que me deixa louco e solvido com vontade.

(é o verão ou o calor que estou sentindo é outro?)

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Momento engraçado nº 1



Ao som de "Y.M.C.A.", Village People

Pensei estar sonhando quando vi uma fada cavalgando um cavalo colorido e muitas pessoas fazendo festa ao redor: rindo, cantando, pulando, se abraçando, se beijando, e vivendo felizes em meio ao caos do mundo... mas era só a parada do orgulho gay mesmo que estava passando em frente a minha casa... rsrsrsrs. ;)  (LGBTS para os radicais).

(a todos os meus queridos amigos que levantam a bandeira arco-íris com orgulho)

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Momento sensual nº 1


Ao som de "Like a virgin", Madonna

Não fique só me olhando com esse jeito safado! Vem sentir meu calor nas suas mãos e no seu corpo, meus lábios nos seus, e no seu pescoço, e no seu peito... Vem... sinta minhas mãos percorrerem seu corpo e o arrepio inebriante da minha pele ao seu toque. Sente meu perfume se misturar ao seu perfume, e ao nosso suor, e ao nosso desejo, e à nossa loucura prazerosa...

(aiai... rsrs)

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Frase destrutiva nº 3


Ao som de "Encanto", Sandy e Junior

Pensei ter asas para voar rumo ao horizonte e lancei-me para a imensidão do céu, feliz em pensar que a felicidade estava logo ali ao seu encontro... mas não tenho asas e, quando você se foi (será que realmente esteve aqui em algum momento?), cai em queda livre e espero me arrebentar para não precisar sofrer a dor de não ser verdadeiramente amado novamente!

(doi, doi, doi...)

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Frase idiota nº 2


Ao som de " I will be", Avril Lavigne

Realmente felizes são as histórias de amor trágicas (daquelas de nos fazer soluçar) porque, diferente da minha, ninguém precisou arrancar o amor do coração depois de ouvir um "segue sua vida e seja feliz porque você merece..." ou "eu sempre vou te amar, mas é melhor assim..." ; a morte levou um e deixou o amor intacto!

(essa dor não vai acabar mais não?)

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

5ª tópica sobre o amor


Ao som de "Broken-hearted girl", Beyoncé

Não acredite em tudo o que ouve. Pouquíssimas pessoas conseguem dizer "eu te amo", "eu te quero", "eu serei sempre seu" com a verdade em suas frases; em menor quantidade ainda são as pessoas dignas de receber de nós essas mesmas frases. Contudo, ainda assim escutamos e nos iludimos... ainda assim falamos para quem não merece e nos iludimos de que é reciproco da outra parte, quando, na verdade, é que já estamos com metade do corpo em uma grande paixão. Mas NÃO é amor!!!

(como doeu sua frase, quando a li...)

domingo, 16 de outubro de 2011

Frase destrutiva nº 2


Ao som de "Songbird", Fleetwood Mac

E eis que prefiro não abrir mais meus olhos, pois que a vida perdeu seu colorido e o mundo desapareceu sob meus pés quando você se foi, levando a alegria, o amor e a esperança... e fiquei só no nada e sem forças para (re)tentar...

(tá doendo... como faz para parar?)

sábado, 15 de outubro de 2011

Frase destrutiva nº 1


 Ao som de "Samba em prelúdio", Vinicius de Moraes

Arranque-me de mim e deixe-me vagar direto e irrefreavelmente para o sol... se não tenho seu calor junto de mim, de corpo e amor, que o sol me aqueça e me consuma, fragmente-me em milhões de átomos, para que não sinta a dor da solidão ou a escuridão que me atormenta sem você ao meu lado e em minha vida!

(ao menos esse sol vai existir em minha vida...)

domingo, 9 de outubro de 2011

Frase sentimental nº 24


Ao som de " I want you", Savage Garden

Se tenho que dormir, que seja pensando em você; se tenho que acordar, que seja ao teu lado; se tenho que viver, que seja para te fazer feliz; se tenho que sentir, que seja o calor do seu corpo no meu a nos arder; se tenho que lutar, que seja para te conquistar cada dia mais;  se for para sonhar, que seja em tornar realidade minha vida junto de você!

(o momento de carência, dessa vez, veio com um toque de desejo e esperança)

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

4ª tópica sobre o amor


Ao som de "Love me tender", Elvis Presley


Fale mais o que sente. Ocultar seus sentimentos, sejam um "eu te amo", "eu te quero", "você é importante para mim", pode levar ao vício de sempre achar que o outro sabe seus sentimentos por ele. Mas, se junto com a fala vierem momentos de silêncio para apreciar a pessoa amada ou ocultar a repulsa à um corte de cabelo muito feio, você acaba de colocar o segundo pé em uma paixão avassaladora. Mas, ainda não é amor!

(letreiros luminosos com "perigo", parecidos com os de Las Vegas, estão nessa parte do caminho)

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

3ª tópica sobre o amor


Ao som de "Love cant wait", Cameron Mitchell

Controle suas mãos e pés, mesmo que seja preciso amarrá-los nas costas. Deixar o corpo sempre livre é dar chance de ele ligar demais para a pessoa desejada ou ir ao encontro dela, quando, na verdade, é importante deixar que ela sinta um pouquinho de saudade. Mas, se mesmo assim a vontade não passar e, junto com a vontade vierem "planos de encontro à luz da lua" e "piqueniques no parque em uma manhã de primavera", isso é sinal que um dos seus pés já está todo em uma grande paixão! Mas, infelizmente, ainda não é amor...

(o letreiro de "perigo" está maior nesse ponto do caminho...)

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Frase Idiota nº 1


Ao som de "Across the sky", Madonna

Acho que vou virar garoto de programa! Se é para ouvir elogios, dar carinho e prazer a alguém e depois ser largado até um outro momento de necessidade, prefiro receber para isso... assim eu finjo que acredito e ajudo muitas pessoas e podem fingir que me amam!

(frustração é mato! aff...)

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Maior abandonado


Ao som de "Turning tables", Adele

Hoje acordei mais cedo que o normal. Meus olhos, ao se abrirem, nem se deram conta da escuridão em meu quarto, pois que dentro de mim parecia estar mais escuro... um buraco negro incompetente o suficiente para engolir a alegria e deixar apenas a tristeza.
Fiquei quietinho na cama para que a opressão em meu peito passasse, mas uma torrente de lágrimas irrefreáveis surgiu sem que eu conseguisse detê-la. Que raiva de mim! Quantas vezes vou me enganar dizendo que não vou mais chorar? Deve ser o mal no "gene Pereira Marcelo" (minha família de "manteigas derretidas").
Às vezes é horrível ser adulto, pois vemos nossa vida tomar rumos estranhos e dolorosos: a vida profissional abre mais portas do que conseguimos contar, os abismos da sociedade se abrem sob os pés e temos que arranjar um lugar para nos manter a salvo... e amigos vão embora, outros nos abandonam, assim como os amores que acreditamos estarem conosco para o que der e vier... simplesmente esquecem que diziam "eu te amo" e desaparecem! Quero deitar no colo, ter meus cabelos afagados, enquanto choro as mágoas do mundo.
Será crime continuar querendo abraços e beijos carinhosos, e ouvir um "eu te amo" cheio de desejo e verdade em um momento como esse? É pedir muito ser amado, protegido, acolhido nesses momentos?
Quero ser eu agora! Quero arrancar da face o psicólogo, o espírita, o compreensivo, o amigo, o "família" e viver esse momento de fragilidade como todo ser humano faz e não me permitem fazer...
Estou na minha cama, meu refugio para dias assim, onde o conhecido casulo de cobertor tenta manter meu coração aquecido contra o vento da solidão e da dor... não funciona como um abraço, mas é o que tenho no momento! Isso e a frase que não me sai da mente (provavelmente sugerida pelo meu anjo da guarda, quando estou muito triste): "Não vos importe a ausência da resposta do amor; disputai a honra de amar! (Bezerra de Menezes)".
As sábias palavras de Bezerra me dão ânimo de levantar e seguir minha vida, mesmo que não receba amor e compreensão em troca: eu quem devo amar o mais forte que conseguir.
E enquanto não consigo amar sem ser amado, apenas choro, olho o horizonte imaginando-me cercado de carinho, compreendido e amado...

(diário explicito... doeu escrever!)

domingo, 18 de setembro de 2011

E continuo a esperar...


Ao som de "I miss you", Savage Garden

Os segundos de espera correm irrefreados pelo silêncio do meu quarto. Um ou outro som, na rua lá fora, quebra o transe de meu pensamento fixo na distancia onde você se encontra!
É tão ruim a opressão em meu peito! Queria saber que você também está pensando em mim e que está planejando nosso futuro juntos, como estou fazendo nesse exato momento...
As horas desenrolam-se pela noite como as águas de um rio caudaloso... nada as detem. E, sem dar muita importancia, percebo que mais uma noite está se passando e eu não preguei os olhos, com medo de perder a sua ligação que, mais uma vez, não aconteceu... quem sabe na outra noite...
É dificil pensar que já não sou alvo de seus pensamentos bons e desejosos e, por vezes, me perguto se um dia já fui... meu coração diz que sim. O que mudou?
Foram as palavras ditas de maneira impensada, na hora errada, e que você insiste em não perdoar?
Foram os medos que todo novo caminho trás antes da jornada e que você prefere parar à caminhar ao meu lado?
Será que meu amor não é suficiente para contagiar você de novo?
Vejo e revejo nossa foto juntos (e todas as fotos que mostram você ou seu carinho por mim)... lembro de um tempo que quero que volte! Não... na verdade quero que seja melhor a partir de agora.
Mas, infelizmente, estou no meu quarto, sentado em minha cama, com o celular sobre o colo, vendo o dia clarear pela vidraça de meu quarto e pensando: hoje você vai ligar e dizer que me ama e sempre me amará...

(por que você não toca, celular?)

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

2ª tópica sobre o amor


Ao som de "My life would suck without you", Kelly Clarkson

Calibre sua balança emocional. Pensar demais em alguém pode ser simplesmente uma carência sua e não que essa pessoa realmente te conquistou ou mexeu com você. Contudo, se junto com o "pensar sempre" no outro também vier os suspiros e antecipadamente o "felizes para sempre", com crianças e cachorros correndo pelo quintal, pode ser um primeiro dedo em uma forte paixão... mas ainda não é amor!

(nesse ponto existe uma pequena placa dizendo "A partir daqui o caminho possui desfiladeiros perigosos! Cuidado." Infelizmente tendemos a ignorar...)

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

1ª tópica sobre o amor


Ao som de "Don't say you love me", The Corrs

Entenda o que está sentindo... o frio na barriga, a falta de sono, a ilusão de que junto dessa "tal" pessoa você será feliz (e etc, etc e blá, blá, blá) podem ser sintomas puramente fisiológicos de uma patologia viral ou bacteriana. Contudo, se, aliado a esses sintomas, vierem suspiros e pensamentos constantes de estar com o outro, pode ser que esteja no primeiro passo para uma paixão! Contudo, ainda não é amor...

(às vezes é bom não passar desse estágio...)

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Diálogo esperado nº 3


 Ao som de "Sentido Contrário", Isabella Taviani

- Alô? - atendo, um tanto desanimado da vida
- Quem fala?
- Com quem gostaria de falar?
- Com o seu coração... ele está? - percebo um certo carinho, algo de constrangimento em sua voz
- Desculpe, ele está fechado no momento! - respondi, pronto para desligar
- Tem como abri-lo? É urgente...
- Sinto muito, mas vai ter que esperar o momento dele abrir naturalmente. - falei, como se isso finalizasse a conversa!
- ...
- Ainda está aí? - pergunto, pelo silêncio que se fez... juro que ouvi uma "fungada" de choro
- Sim... Pode, ao menos, dar-lhe um recado quando ele abrir? - percebi o desapontamento na voz
- Posso... - disse, entediado, mas um tanto curioso
- Diga-lhe que o amo e que ele é o único que eu quero?!
Fico atônito por um momento, mas...
- Ei... não desligue! Espere um pouco... ele te receberá IMEDIATAMENTE! - disse entre lágrimas e sorrisos.
- Por que mudou de idéia? - perguntou entre aliviado e feliz.
- Você acabou de dizer a senha que ninguém foi capaz de dizer... e, por isso, ele também será unicamente seu para sempre!

(... a saudade aperta tanto...)

sábado, 3 de setembro de 2011

Pergunta explícita nº 2



Ao som de "Can't take my eyes off you",  Lady Antebellum

Conheço o movimento dos planetas, a grandeza das estrelas, a amplidão do universo e a beleza da natureza... Se entregue a mim e me deixa conhecer sua vida, seu amor e o seu corpo para toda a eternidade?

(quem me dera estar mais perto...)

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Frase decisiva nº 3


Ao som de "Heartbreaker", Pink

Nem mais uma lágrima, nem mais um segundo de espera, nem mais uma noite sem dormir... se são essas as regras do seu jogo, joguemos!!!

(espero conseguir cumprir)

terça-feira, 23 de agosto de 2011

I choose a mortal life - part II



Ao som de "Hello", Lionel Richie

E quis recusar-te, e foste mais forte
E quis dizer que não damos certo, e foste deliciosamente cativante
E quis fugir para dentro de mim, e roubaste todas as chaves do meu ser

E quis ficar quietinho, mas fizeste-me apaixonar, e amar, e me entregar de corpo e alma...

E agora a distância não é mais tão grande
E o seu toque não é mais ilusão em meu corpo
E o seu beijo não é mais delirio de meus lábios
E a vida não é mais vazia sem você...

E quisera, porém, estender nosso momento para uma, talvez duas Eras inteiras... (na verdade quero-nos juntos por todos os Éons)
E desejara criar "sois" que aquecessem eternamente nossos corações (e porque não nossos desejos)
E pretendera fazer que os ponteiros do relógio girassem apenas para que os instantes fossem sempre dias claros de amor e felicidade!

E mesmo se uma ou outra nuvém aparecer para tentar acabar com nosso "verão primaveril" (ou será "primavera veraneira"?), sei que o "sol" volta logo e sempre mais lindo e forte!
E não tenho dúvidas de que me amas como te amo (ou até mais do que consigo perceber e me expressar),
E não entendo mais o que é a vida sem você fazendo parte dela,
E não tenho medo do futuro, pois não há o que temer tendo certeza da felicidade ao seu lado!

(For you, I choose a mortal life, and now, I cannot live whitout you and your love. Love me forever, please!!!)

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Risadas no asfalto


Ao som de "Make 'em laugh", Donald O'Connor

Por que será que sempre que estou com a Ju tenho certeza que algo muito engraçado vai acontecer? Talvez os longos anos juntos me dão essa certeza. Mas dessa vez não foi apenas engraçado, foi frustrante, irritante, delicioso, perigoso e excitante também; tudo ao mesmo tempo (ou com leves variações ao longo das horas que ficamos juntos).
Bem, do inicio, então:
Lagoa da Prata, dia 25 de março de 2011. Exatamente 12:42.
Juliana chama no portão da minha casa. Como de costume, brinco gritrando de dentro da casa um "Não estou" e espero pelas gargalhadas altas dela no lado de fora. Alguns minutos depois saio, cumprimento-a e entro no carro no banco do motorista, sob recomendação de cuidado e desejo de boa viagem de minha mãe. O destino? Divinópolis, MG.
Uma vez no banco do motorista, percebo que ela completou o tanque para nossa viagem e, só para me assegurar, pergunto:

- Está tudo certo com o carro?
- Sim, bailarino - é assim que, geralmente, a Ju me chama - tudo certissimo!
- Ok. Então vamos com Deus. - respondo por minha vez.

Até aqui, tudo como sempre fazemos quando vamos viajar: risadas, músicas favoritas altas - dela e minhas para agradar a ambos - repassar os planos das lojas que precisamos ir, escolher o filme que vamos assistir no shopping, mais risadas, tiradas (são frases ou palavras debochadas que utilizamos para deixar as pessoas sem graça) - geralmente ganho da Ju nas tiradas, porque ela é meio lenta no raciocínio... - como disse, tudo na mesma até chegar perto de Santo Antônio do Monte, uma cidade vizinha há vinte minutos de Lagoa da Prata.

- Eita...
- Que foi bailarino - Ju pergunta estranhando (geralmente falo "eita" ou "ops" quando a situação não está normal)
- O carro está pesado... está começando a trepidar. - respondo, observando bem o que acontecia.
- O que será? - ela pergunta começando a ficar preocupada.

Aqui cabe mais uma explicação: Juliana e volante não combinam muito bem. Além de ela morrer de medo de dirigir na rodovia, não entende muito de carro. Sem preconceito e já tendo falado isso para ela, acho que o avaliador dela a passou por pena ou pelos belos olhos que ela tem. Continuemos...

- Uai Ju... se não for o cano de descarga ou o carburador sujo, só pode ser o motor... no mínimo uma vela que está gasta!
- E isso é ruim?
- Não Ju... é ótimo! É o estado que todo carro deve estar para um bom desempenho! Aiai... - falei entre levemente estressado e brincando. Ju ria alto da minha maneira de falar.

Mais alguns metros e o carro começa a trepidar muito.

- Melhor parar para tentar ver o que é. - falei mais para mim que para a Ju. Ela simplesmente acenou a cabeça em concordância.

Parei o carro o melhor que pude, porque, ao diminuir a velocidade, o carro morreu. Para aqueles que são como a Ju, quando o carro "morre", não é sinal de que precisaremos de um velório, mas porque ele apagou de vez sem um comando para isso.
Assim que puxei o freio de mão e desci do carro, percebi que não era o melhor lugar para parar: uma curva, beirando um morro, sem acostamento e sem boa sinalização. O que pensei? Simples: "Jesus, agora é com o Senhor..."

- O que é, bailarino?
- O cano de descarga não está solto... vou ver na frente para saber. - respondi, abrindo o capô.

Ao levantar o capô, vi saindo fumaça do motor e do radiador. Imediatamente olhei para o tanque de água e percebi que ele estava "VAZIAÇO". Era o fim, sabia que era motor fundido. Para aqueles, como a Ju, podemos dizer que o motor fundido seria algo como a "morte" do carro. É como se o coração tivesse parado; a diferença é que, no caso dos carros, dá para trocar se risco de morte.

- Você não disse que estava tudo bem com o carro, Ju? - falei realmente irritado.
- Uai bailarino - ela ficou temerosa, do jeito que sempre fica quando fez algo errado - eu mandei lavar o carro, achei que estivesse tudo certo... - nessa hora a gagueira era visivel, assim como seu rubor.
- Ju, meu anjo, estava perguntando da frente do carro... óleo, água...
- Ai bailarino... - estava a beira das lágrimas.
- Tá bom, tá bom... me dá sua garrafinha de água e a minha. Vamos ver se damos sorte.

Nem preciso dizer o que aconteceu; ao retirar a tampa para colocar água, toda a água do carro ferveu, saindo com força do motor. Colocamos a água das nossas garrafas, tentamos ligar o carro, o balançamos, mas nada funcionou, como esperado.

- O que a gente faz agora, bailarino?
- Simples, vamos ter que ligar para nossos pais para eles trazerem um guincho.

Depois de ligarmos para o socorro mais próximo que conhecia - meu pai, rs - tomei o cuidado de sinalizar na estrada que tinha um carro estragado na curva. Foi hilário ver a Ju tentar colocar um pequeno graveto para sinalizar ("Ah é, todos mundo, até lá na China, vai perceber isso aí no meio da estrada, Ju!").
Enquanto esperavamos meu pai, Ju e eu ficamos rindo da nossa situação, cantando em voz alta - praticamente gritando, aproveitando que estavamos no meio do "nada" (percebemos que devemos continuar a ser bailarinos), eu ameaçando jogar a Ju na maior aranha que já vimos (cuidadosamente trabalhando em sua teia GIGANTE entre dois troncos da árvore próxima do carro, que já tinha alguns insetos presos para um banquete não muito distante; minha raiva da Ju dizia que ela seria mais saborosa), correr de um lado a outro da rodovia, gritando desesperadamente (claro que apenas quando não havia chance de ter veículos passando), brincando de seduzir um ao outro... foi MUUUUUUITO DIVERTIDO.
Quando papai chegou tentando ver o que tinha acontecido (meu pai, como todo pai, não confia muito em mim no que diz respeito a direção) e constatou, como eu, que o motor tinha fundido. Ele queria nos levar de volta, mas ficamos receosos de deixar o carro sozinho - e claro que eu brinquei que deixaria a Ju sozinha e voltaria com meu pai, só para vê-la desesperada, rs - então ficamos esperando o reboque e mais ondas de risadas e brincadeiras.
Mesmo tendo ficado um pouco frustrado de não ter ido em Divi para comprar o que necessitávamos para o Studio de Dança, foi maravilhoso passar por essa experiência ao lado de uma das pessoas que mais amo (e se alguém disser isso pra Ju, nego até a morte, rs), fazendo de um momento que poderia ser de irritação, um momento de pura diversão e prazer!
Agora vamos ver quando vai ser a próxima...

(diário explicito... para me lembrar de olhar a água dessa outra vez que vou viajar com a Ju, rs)

domingo, 7 de agosto de 2011

Frase sentimental nº 23


Ao som de "I'm with you", Avril Lavigne

Não pegue nada além de você. Deixe as coisas, deixe o passado e venha para minha vida. Aqui em meu coração tem tudo o que você precisa e o futuro nos dará o restante que faltar...

(será que dá para entender essa verdade?)

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Cachecol de lã, meias grossas e um abraço bem apertado


Ao som de "Fallen", Sarah McLachlan

Abraço as pernas, em cima da poltrona da sala, envolvido no edredon e contemplo o vazio que me completa... é como se o frio ambiente externasse tudo quanto sinto. Engraçado como a leitura não me distrai mais.
Não se preocupe... um pequeno solzinho está lá dentro, aquecendo meu coração, eu acho. Queria que ele se fizesse mais forte, como se fosse um dia de verão, em pleno Rio de Janeiro! Aiai... me vem Fernanda Abreu à mente: "Purgatório da beleza e do caos"...
O que será preciso purgar? Onde a beleza no caos da solidão? Quero os 40° de um desejo ardente... quero os delirantes 40 graus de um amor eminentemente verdadeiro e exclusivamente MEU! Se for pra dividir com outros, prefiro ficar só!
Mas ainda não é verão; é inverno. E ainda não há amor, nem amor de verão - daqueles que chegam como a chuva, são fortes e fazem marcas, mas naturalmente passam e não deixam tristeza, apenas boas lembranças - há a solidão e a espera...
Nem dor, nem alegria, apenas espera! Será?
Nessa espera fico me perguntando quando foi a última vez que me acompanharam pela felicidade, mas a dor me faz duvidar se um dia já estive acompanhado! Muitas promessas, muitas falhas...
E enquanto a sensação de frio aumenta, me delicio com o arrepio da lembrança boa que resolveu aparecer, busco, fragilmente, aquele cachecol azul de sempre, com as mesmas meias grossas dos tempos de inverno, pois o que é bom dura para sempre!

(só me falta o abraço apertado, misturado ao cheiro de chocolate quente que acabei de preparar pra mim)

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Esperando o sol nascer


Ao som de "Estranho jeito de amar", Sandy e Junior

O frio não me incomoda. Acho que me tornei insensível... muito da sensibilidade foi desperdiçada sem precisar (pelo menos é o que tento me convencer).
A dor agora é companheira... melhor conviver bem com o que está tão próximo, certo? Contudo, me recuso a deixa-la tomar as rédeas do não conhece bem: minha vida.
E os sonhos, desejos, planos e caminhos pré-traçados, foram retirados encharcados do imenso tanque de ilusão no qual foram mergulhados por descuido e postos ao sol da realidade para secarem e ser melhor vividos, quando for possível e se não estiverem muito danificados.
Será que seria bom continuar do jeito que estava?
Sei apenas que o amor supera tudo... já ouvi isso antes... já vivi isso antes... agora não consigo me lembrar como se faz! Prefiro esperar o sol...
Mas, enquanto o sol não nasce para secar tamanho estrago, vou abanando para ver se o vento começa a restauração...

(precisando de um violão para cantar ao "deus sol" para ele aparecer logo)

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Por que?


Ao som de "Falling Down",  Avril Lavigne

Dor...
Sensação de que o chão rompeu abaixo de mim...
Dor...
Sensação de que estou rodando em um twister acelerado demais...
Dor...
Sensação de que vou afogar nas minhas próprias lágrimas...
Dor...
Sensação de que a história está se repetindo...
Dor...
Sensação de que não adianta tentar mais...
Dor...
Sensação de que não consigo continuar a caminhar...
Dor...
Certeza de que esse corte profundo vai cicatrizar, mas nunca me deixará esquecer...
Dor... muita dor...
Por que?
Dor... muita dor...
Devo ter feito por merecer...
Dor... mais do que dor... the death

(...)

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Desejo ardente nº 1


Ao som de "Eu quero ser pra você", Paula Fernandes

Deita na nuvem mais fofa, veste um edredon de estrelas, aconchega meu corpo no seu e acaricia meus cabelos... estou precisando sonhar e quero que meu sonho seja belo como seus olhos, e que nosso amor que nasce dure pela eternidade!

(será que dá pra continuar no sonho?)

domingo, 31 de julho de 2011

Diálogo esperado nº 2


Ao som de "Destinos", Sandy e Junior

- Tem certeza que chega lá? - pergunto desconfiado, um tanto medroso.
- Sim senhor. Nunca errou o caminho. - diz orgulhoso o conferente.
- Isso é pior! - meu medo crescendo - sempre tem uma primeira vez...
- Nesse sentido, nunca errará - passou o motorista, com um sorriso confiante.
- Tudo bem... - disse sem perceber.
- É sua primeira viagem? - quis saber interessado, enquanto guardava minhas malas no bagageiro em cima.
- Não, mas é a primeira sozinho... vamos nos encontrar lá. É estranho fazer isso? - meu medo apertou com mais força.
- Que eu saiba sim. Geralmente viaja-se acompanhado... - disse espantado o conferente.
- Mas, na próxima estação, subirá... - tentei explicar (para mim mesmo), sem muito sucesso.
- Tudo bem, tudo bem... sente-se e aproveite a viagem. - falou firme o guia.
- Ela é muito demorada? - tentei manter a serenidade.
- Ah, isso é muito relativo - começou o conferente - para quem está acompanhado, dizem que não demora nem um minuto. Para você que está sozinho, acredito que posso parecer a eternidade...
- Pode me servir um pouco de café com leite bem quente? - pedi quase desesperado.
- Posso... mas não é necessário. Algo me diz que a felicidade lhe sorri na próxima parada...

Fechei os olhos, cruzei os braços e me perdi no balançar do trem amor, esperando que quando chegar no coração, já tenha havido o embarque que espero e eu esteja sendo acariciando para acordar para a felicidade sem fim...

(espero não demorar muito)

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Café com leite


Ao som de "Nem um dia", Djavan

Meu celular tocou no criado ao lado da cama e, se não estivesse com muita preguiça, jogaria-o do outro lado do quarto, na parede se possível, para evitar que ele continuasse tocando. Depois, com certa dificuldade, lembrei que paguei caro nele e me conformo em apenas desligar o despertador.

"Que vontade de continuar deitado", penso entre um bocejo e um espreguiço!

Me rendo à vontade e continuo na cama mais um pouco, cochilando acordado, querendo ficar deitado mas com remorso de atrasar as tarefas do meu dia.

"Ah, fala sério... não posso dormir até tarde nem na minha semana de folga?" - penso um tanto indignado.

As várias mensagens que começam a chegar atestam que NEM na folga posso dormir até mais tarde. Rio gostosamente, esfrego os olhos e levanto.
Habitos de todas as manhãs se seguem assim que levanto: oração sincera à Deus (hoje chorei uma amargura que não consegui resolver ainda); promessa de que vou arrumar meu quarto, principalmente a escrivaninha essa semana (espero sinceramente conseguir cumpri-la essa semana); escovar os dentes, evitando olhar o cabelo que também prometo ir cortar, mas nunca encontro tempo (hoje eu vou...); por o leite para esquentar, colocar a dose exata de café na MINHA caneca azul (desculpem, sou meio possessivo com todas as minhas canecas), preparar um misto de queijo (digo misto por ter dois tipos de queijo, rs)... tudo aparentemente normal.
Mas ainda estava perdido em mim. Como bom psicólogo, acredito posso dizer "emocionalmente abalado". Não gosto de me sentir assim... me sinto frágil. Sei que não é ruim ser frágil, mas gostaria de ter alguém para me proteger nesses momentos! É aí que a solidão aperta e que relembro as promessas feitas e nunca cumpridas e outras tantas que tenho medo não se cumpram.
- Seu café vai esfriar - repreende carinhosamente minha mãe, ao ver que estou parado, com o café à minha frente, divagando...
- Ah, tá... - é o que consigo dizer (pelo menos acho que disse isso)

Ela passa por mim, com as roupas para lavar, afaga minha cabeça, e vai para o terreiro.

"Meu café vai esfriar...", disse minha mãe. Profecia ou banalidade? Como saber! Tenho medo que esfrie (tanto o café, quanto o coração)... é melhor tomá-lo rápido (assim como encontrar-te depressa)...

Mas meu pensamento continua subindo com a fumacinha do calor do Café com Leite que preparei para mim e que, agora, não estou nem um pouco interessado em tomar... prefiro outro calor!

(outro diário explicito... rsrsrsrs)

domingo, 24 de julho de 2011

Entre chapéus e véus


Ao som de "Forgiven, not forgotten", The Corrs

Estranho me sentir só em meio a tantas pessoas. Mais estranho é perceber este sentimento em uma festa de peão. Não pela festa em si... não pela festa, como um todo. Apenas estranheza. Daquelas que vem sem que queiramos e, ao mesmo tempo, sem que mandemos embora, tampouco. Eu estava só! Muito pode ser dito nessa frase e, o que mais gosto, nada, também!
Era bom - e ruim - passear entre as pessoas sozinho, atento "na desatenção" dos olhares que recebia: ora furtivos, ora desejosos, ora indiferentes, ora divertidos (de uma diversão que não tinha nada a ver comigo, mas que meu abalo dizia: "é de você que estão rindo"). Ainda ouço o eco da gargalhada malvada de meu pensamento "boicotante".
Nada prendia minha atenção, talvez um rosto aqui ou ali que parecesse com aquele que eu queria estivesse ao meu lado. Infelizmente não estava... e por isso, talvez, a solidão.
Por que também não lancei olhares desejosos e sapecas para conseguir algo? Ah, não faz muito sentido quando se está apaixonado! Parece que a vida gira em torno desse outro, mesmo ausente, e a fidelidade algema-nos qualquer intenção, graças a Deus...
Mais passos para o "não me interessa", mais desvios de rota na imensidão humana do parque de exposições. Que horas vai começar esse show? Era o que sempre me perguntava, a cada dez minutos, olhando o relógio.

- Desculpe, estou esperando alguém - mentia sem pudor às aproximações.

"O que cada um esconde debaixo do seu chapéu?", de repente a dúvida me assaltou. Percebi logo que a pergunta tinha a profundidade de um Iceberg. Não queria saber dos tipos de cabelo ou corte (se bem que alguns dos que vi poderiam ter sido tampados por chapéus, rs); quero o pensamento que evola, mesmo que um perigo eminente.
Quero penetrar na intimidade dos outros para tentar salvaguardar a minha; quero entender o que se passa nos pensamentos humanos, que se misturam com os desejos, e com os sonhos, e com as realizações, e... para, enfim, saber que caminho percorrer na descoberta de mim...

- Olá! Pois é... gosto das músicas dela! Acho que vai ser um bom show... Não, não, estou acompanhado. Obrigado pelo convite... nos topamos! - novamente me esquivava, até dos conhecidos. Era bom - e ruim - estar sozinho em uma festa de peão... acho que faltava alguém!

Queria penetrar nos pensamentos e descobrir um que me alheasse da sua ausência... queria saber que sou seu pensamento, e poder ficar feliz e leve no show, e curtir as músicas romanticas abraçado a mim mesmo... mas acho que já sou grandinho para sonhos infantis!
Forgiven, not forgotten... é... traduz bem o que eu quero e estou vivendo numa festa de peão! Acho que vou comprar um chapéu também!

(diário explícito desta vez)

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Frase sentimental nº 22

 

Ao som de " You're the one that I want", Olivia Newton-John

Faz do meu coração templo da sua esperança, berço do seu tesouro, força da sua vida e casa da sua morada. Contudo, não faça dele de rede do seu descanso, se tal descanso não for para a eternidade!!!

(que seja eterno)

domingo, 17 de julho de 2011

Visão de menino


Ao som de "Esconderijo", Sandy Leah

Quando menino eu queria ser "restaurantista", policial, pai de família, Cavaleiro do Zodíaco (o de Libra, de preferência), poketreinador, profeta, mágico, ourives (influência de meu pai), "Senhor" dos ventos, artista circense, milionário, faxineiro, médico, dançarino, ator, modelo, arquiteto, decorador, designer, desenhista, escritor...
Quando menino queria transformar a vida de quem sofre, com o simples desejo da minha vontade e, é claro, não sofrer, por nada, nem para ir ao dentista! Queria abrir as portas de minha casa para todos que quisessem entrar e seriamos amigos para sempre!
Quando menino eu queria entender o que mamãe e papai falavam sobre responsabilidade e inteligência (e todas as outras virtudes, nas longas conversar e xingos que tinhamos) e aplicar tudo, para que eles ficassem felizes comigo. Queria ser mais próximo dos meus irmãos e irmãs e não apenas observa-los...
Quando menino eu queria ser e ter tudo o que hoje não tenho e, estranhamente, não me arrependo (de tudo). Percebo que sou diferente em muitos quesitos, principalmente em relação ao que o mundo espera de mim.
Mas, mesmo menino, eu queria amar!
E acho que isso eu faço, mesmo que muitas vezes não receba de volta da maneira que gostaria...

(para mim... é bom de vez em quando!)

sexta-feira, 15 de julho de 2011


Ao som de "Ida nem volta", Sandy e Junior

Inebria-me de ti!
Sê nectar de essência...
Sê dogma de existência...

Aprisiona-me em ti!
Sê carcere privado de prazer...
Sê algemas douradas de querer...

Dilata-me em ti!
Sê calor de vulcão de desejo...
Sê frio de intenção que almeja...

Reconstroi-me para ti!
Sê quinhão de realidade...
Sê base de verdade...

Redesenha-me a partir de ti!
Sê escrita inapagável no coração...
Sê traço de contorno infindável na emoção...

Vive-me em ti!
Assim, sendo "um" contigo,
Tenho razão para ser um em mim para viver de e para ti...

(está incompleto... de muitas maneiras...)

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Em fogo brando


Ao som de " Faithfully", Journey

Ingredientes:
7 xícaras bem cheias de "Carinho" em pó
3 xícaras de "Observação Cuidadosa" granulada
2 xícaras de "Bem-querer" líquido fervendo
4 latas grandes de "Ajudua Mútua"
5 gomas fortes de "Fidelidade" (não triture para evitar erros na receita)
3 cravos pequenos de "Cuidado" (se for a versão "ciume", coloque apenas um)
1 pitada de "Desinteresse"
3 doses rasas de "Discussão"
1 saco inteiro de "Desejo" granulado
10 colheres de "Paciência"
7 xícaras de "Criatividade-Constante" recém picadas
10 favos de "Lembranças"
1 barra média de "Memória"
3 pedaços de "Presentes sem motivo"
3 colheres cheias de "Sonhos"
3 garrafas de "Planos, Trabalho e Realizações"
2 pedaços cremosos de "Aceitação" (se parecer pouco, coloque no máximo mais um, para não melar)
1,5 sopro de "Implicância"
6 xícaras de "Diversão"

Modo de Preparo:

Comece misturando o "Carinho", o "Bem-querer", uma garrafa de "Planos, Trabalho e Realizações" e a "Fidelidade"; não pare de mexer. Acrescente aos poucos a "Observação cuidadosa", a "Diversão", a "Ajuda Mútua", o "Desejo", a "Implicância", o "Cuidado" e a "Memória". Deixe descansar por algum tempo.
Quando estiver bem grande, daquele tamanho que geralmente não esperamos, acrescente a "Criatividade-constante", os pedaços de "Presetes sem motivo", a "Paciência", a "Discussão", o "Desinteresse" e mais uma garrafa de "Planos, Trabalho e Realizações" para diminuir um pouco (mas só um pouquinho) o volume. Bata com "Vivência" em nível máximo.

Dica: se você não prestar atenção no volume e ele baixar demais, acrescente uma colher de "Bajulação"

Assim que ficar bastante cremoso, acrescente os "Sonhos", a última garrafa de "Planos, Trabalho e Realizações" e as "Lembranças" e misture delicadamente. Leve ao fogo brando da paixão por tempo indeterminado. Uma vez pronto, salpique "Aceitação" e sirva quente.
Esta receita deve ficar com sabor de Amor-eterno, cor de Vida-a-dois e cheiro de Quero-mais.

(delicie-se a vontade!)

terça-feira, 12 de julho de 2011

Pergunta explícita nº1


Ao som de "Dream a little dream of me", Ella Fitzgerald e Louis Armstrong

Para esta noite (e para toda a vida) montei uma escada de estrelas até a nuvem mais fofa... pelo caminho vai ter fonte de sonhos e amores infinitos, guirlandas de planos e realizações sem limite, com chuva de pétalas de rosas brancas, rosas e amarelas, perfumes de lírios e chocolate no ar e, no final, no nosso colchão de desejo, brilho de lua cheia e arco-íris (ele insistiu em aparecer, rs)... Vem comigo ser feliz?

(medo da recusa, acredita?)

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Queria viver de você


Ao som de "Endless Love",  Lionel Richie e Diana Ross

O ar já está ficando monótono...
A água já está ficando comum demais...
O verde já está vivendo a mesmice de si...

Quero o novo da vida!
Quero o maravilhoso em realidade!
Quero o intenso em simplicidade!

De que me importa os Jardins Suspensos da Babilônia sem o seu toque no meu corpo?
Qual o interesse pode trazer o Corcovado, o Redentor, de braços abertos, se não tenho comigo o seu calor?
Para que vou querer as ondas do mar, se o sal do seu suor não se mistura ao meu, para que sejamos um só?

Não... quero o doce perfume da sua pele.
Quero, em verdade, acordar escutando o som da sua voz ao meu ouvido...
Eu quero, e quero muito, o sabor da sua boca na minha. E a maciez do seu corpo no meu. E o calor do teu toque no meu. E o clamor da sua voz a me chamar...

Eu queria viver de você e, junto com Deus, todas as outras coisas me seriam acrescentadas,
Pois que a felicidade e a saúde já estariam a meu lado!

(outro momento de inspiração... acho que está indo bem mesmo)

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Acho que vou ali encontrar um coração


Ao som de "Need you now",  Lady Antebellum

Passos incertos, meio tontos, meio confusos,
Me levam para um lugar diferente de mim.

Quantas cores, quantas vibrações, quantas flores...

Olhares inseguros, meio fechados, meio enegrecidos,
Me mostram um momento além de agora.

Quantos calores, quantos arrepios, quantos desejos...

Do que você precisa para ser meu? Amor?
Aqui, me tenha por completo que conseguirá todo o amor que precisa.
Do que você precisa para me deixar te fazer feliz? Vida?
Espero que a minha sirva, pois é tudo o que posso lhe dar no momento... e o céu, e o mar, e as estrelas, e...

Pulsares incertos já não intoxicam mais meu coração,
Pois o seu sorrir é o antidoto que eu precisava para sobreviver à solidão.

E quantos sonhos, quantas orações, quantas inspirações...

Sorrisos concretos brotam em meu rosto,
E minhas palavras são sinceras quando digo (ou pelo menos sussurrar ao seu ouvido) fica comigo que eu te quero.

E suspiro, entregue aos sonhos, desejos e esperanças medonhas do porvir.

(um primeiro suspiro de inspiração... acho que é um bom começo)

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Acho que mentimos


Ao som de "Lies", McFly

Suas acusações doem em mim, mas não me perturbam! Contudo, acha mesmo que menti?
É... fazendo uma análise geral, talvez tenha mentido mesmo!
Disse que nada abalaria nossa relação, mas a distancia foi um vilão mais forte. Disse que estariamos juntos na alegria ou na tristeza, mas a tristeza chegou e eu não estava ao seu lado. Afirmei que nossos corações seriam um, mas hoje são como são e, não batem no mesmo ritmo... Prometi estar ao seu lado para sempre, mas esqueci que para sempre é um tempo que não conheço ainda e, portanto, não consegui cumprir.
Ainda assim, também prometi que te amaria, e isso continuo mantendo, porque o amor é uma força maior que o desejo e o contato. É o amor que mantém a amizade e a amizade é a ponte que liga dois corações para sempre.
É... fazendo uma análise cuidadosa, menti pra você em muitos quesitos, menos nesse do qual estou sendo acusado.
Mas agora seguimos nossas vidas, temos propósitos e sonhos... nos esforçamos para conseguir ser felizes. Merecemos mais! E sempre conseguiremos, tenho certeza. O esforço e o tempo cuidam disso.
Contudo, se for verdade o que o ditado popular diz "chumbo trocado não dói", então não tem porque você se sentir ferido, porque prometeu cuidar do meu coração e no momento em que mais precisei, você não estava ao meu lado...

(Como você, apenas escrevendo meus sentimentos...)

domingo, 3 de julho de 2011

Entregando as algemas


Ao som de "Get it right", Glee

Aqui está! Tome esse prato de sopa... deve ser mais saboroso que todos os nectares que tentei lhe dar ao longo desse tempo. É necessário que refaça suas energiar para a nova empreitada no amor... acho que também vou tomar um.
Suas roupas estão lavadas? A mala está pronta? Não... não se preocupe; pode deixar que eu reajeito meu coração para o próximo novo inquilino. Ouvi dizer que a massa "tempo" é excelente para tapar buracos!
Ah! Antes que eu me esqueça, você precisa concertar a fechadura e entregar as chaves... é um procedimento padrão... assim evitamos maiores problemas no futuro. Mas espero não precisar negar essa vaga para você, mesmo que esteja sem inquilino algum.
Aqui... tome. Essas são as algemas na qual pretendia te prender ao meu coração. Não serão mais necessárias! Tenho certeza de que se com o amor você não resolveu ficar, muito menos ficará por obrigação.
Não... não olhe para trás. Vá sem medo de ser feliz ou de me magoar! Afinal, não pensou nisso antes, por que pensaria agora?
De agora em diante, no quadro da vida, o coração está desocupado. As chaves já foram entregues ao imobiliario responsável... pedi para ele ter mais critérios com os próximos inquilinos e que anunciasse a "vaga" mais para frente, pois ainda não usei o tempo na reforma do lugar.
Por hora, vou apenas admirar o vazio e os estragos do coração para ver onde vou precisar ampliar, concertar e pintar...

(caminhando e cantando para não deixar a peteca cair)

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Para além de tudo o que me consome


Ao som de "Jar of Heart", Christina Perri

Um passo não é suficiente para descrever a caminhada a ser percorrida.
E quão distante se mostra essa caminhada, agora já iniciada...
Terá sido um erro seguir a estrada de espinhos e sertões, naquela bifurcação mais atrás, àquela estrada com flores e borboletas, e bichinhos fofinhos, e perfumes?
Agora tenho medo da solidão, e do frio cortante que varre a estrada deserta... achei que teriam mais pessoas que prefeririam o atalho e, assim, não ficaria sozinho!
E pensar num caminhar de mãos dadas já não faz mais parte dos meus pensamentos, pois que meus braços envolvem a mim para eu não sucumbir à hipotermia.
Contudo, se me deixassem escolher, preferiria mil vezes o frio do vento do inverno ao gelo do meu coração (é assim que me acham... e acho que também concordo).
...
As ilusões trazem uma dor muito mais profunda que a traição ou a morte, porque a ilusão é a morte da realidade e das construções...
Estranhamente não fujo da perseguição ou nego o crime de "leso-sentimento"... mas nesse sentido, quem nunca foi criminoso? E será que meus erros do passado serão todos cobrados agora?
Quanta dor os meus/seus atos ainda causarão a um coração? (apenas um?)
...
Acho que vou sair da estrada, parar no meio do caminho e desejar tomar sorvete de limão com cauda de chocolate! Deixar que o tempo passe.
Quem sabe assim a dor passe com o sorriso instantâneo que surge com os doces da vida?
Espero que o degustar o sorvete não aumente o meu frio...
Espero que o parar na estrada não cave minha cova solitária...
Espero que meu olhar adentre a imensidão da minha dor e consiga tirar de lá a centelha brilhante do meu coração desejoso de amor!

(trabalho e dança... já percebi que esses amores não me fazem sofrer! Vou passar a viver disso...)

terça-feira, 28 de junho de 2011

Coração desalinhado


Ao som de "Razões pra sonhar", Sandy e Junior

Um pulsar já não diz mais apenas o que eu desejo... ele também dói.
Dói como uma faca que corta a carne... e arde... e sangra!
Dói como a chama que queima, impiedosa e sedutora!
Dói como um coração arrancado do peito, mas que insiste em bater...

Parece que o destino, se é que ele existe, gosta de me boicotar (eu será que sou eu?)...
Será que a estrada para o "El Dourado", com seus imensos potes de felicidade, é assim tão tortuosa?
Por que as engranagens de um amor quase perfeito não podem simplesmente se encaixar e fazer girar nossa vida juntos?

Um pulsar já não me emociona mais como gostaria... é uma ilusão.
E o muro de sonhos se desfaz ao toque de um sopro,
E mais que os desejos, as realidades parecem ruir...
E as lágrimas de dor se tornam, estranhamente, um alívio (o difícil é chorar!).

E, de repente, brota a esperança (que estranho, rs)...
E ela me diz ao ouvido que meu coração estará na mesma reta de outro,
E que esse encontro vai gerar um amor tão intenso e profundo que nada e tudo serão um só!

E nessa hora, um pulsar será todo o pulsar!
E o todo e tudo serão o amar que tanto espero...
E tudo se completa... e faz colorir os dias por hora cinzentos... e refaz a razão de continuar a tentar!

Um dia, em um momento que espero ser breve, meu coração vai se recalibrar.
Pulsar no mesmo compasso de outro coração... e viver... e amar...
Por hora, me agasalho em cobertores, num casulo, para que o frio não faça-o parar!


(chamando um reboque para lever meu coração para ser realinhado)

terça-feira, 14 de junho de 2011

Provas...


Ao som de "Prove you wrong", Until the End

Esses olhares súplices não me convencem... eu sei que você é capaz! Me desafiar tampouco faz diferença. A prova está sobre a sua mesa: respire fundo, concentre-se e faça (se quiser, claro!).
Por que o medo de algo natural? A vida é cheia de provações meu caro...
Você quis nascer e sair para o dia, então, teve que provar que conseguia e fazer um grande esforço para sair do ventre de sua mãe. Você quis brincar com aquelas outras crianças e, teve que provar que era um bom amigo. Você quis conquistar aquele amor que lhe passou  à frente, então você teve que provar que tinha coragem e se arriscar... e conseguiu algo com isso (alguns foras, alguns beijos...). Você quis ficar até mais tarde em uma festa e, para tanto, teve que provar para seus pais e/ou cuidadores que merecia confiança. Você quis muitas coisas e, para sua surpresa, viu que a única maneira de conseguir é provar que merece.
No presente e no futuro também será sempre assim:

Você quer comprar aquele carro novo? Prove que tem grana!
Você quer passar no concurso? Prove que conhece a matéria!
Você quer ser promovido? Prove que você é melhor que os demais!
Você quer ser compreendido? Prove que sabe compreender!
Você ama alguém? Prove de alguma maneira!
Você quer... Prove!

E a prova, quase sempre, é para você mesmo!
Provar para nós que conseguimos, ou não, é um ato de maturidade tão grande quanto casar, educar uma criança, tomar o primeiro pileque e dizer que foi porque quis...
Prove ou admita suas limitações: eis a questão. E no caso de limitações, elas podem se tornar conquistas, se o esforço for bem grande...
Agora, creia : de todas as provas que você terá em sua vida, essa, na sua frente, onde tem que marcar com papel e caneta, será a mais fácil que fará dentre todas!

(para os meus alunos, nessa semana que sei estar sendo difícil para eles)