Estrelas do meu céu...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Frase sentimental nº 10

 
Me escondo no tempo, me perco na memória e, estranhamente, sempre me descubro em seu sorriso...

(será que me encontrarei em outro sorriso um dia?)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Marca musical: I see you



Marca dedicada à Débora por ter aceitado ser a bailarina desse partner (parceiro, em francês) maluco, rsrsrs... A música do nosso primeiro pas de deux...


I see you (Leona Lewis)
James Horner

(I see you)


Walking through a dream
I see you
My light in darkness breathing hope of new life
Now I live through you and you through me
Enchanting
I pray in my heart that this dream never ends


I see me through your eyes
Breathing new life
Flying high
Your love shines the way into paradise
So I offer my life as a sacrifice
I live through your love


You teach me how to see
All that's beautiful
My senses touch a world I never pictured
Now I give my hope to you
I surrender
I pray in my heart that this world never ends


I see me through your eyes
Breathing new life
Flying high
Your love shines the way into paradise
So I offer my life
I offer my love
For you


When my heart was never open
(And my spirit never free)
To the world that you have shown me
But my eyes could not envision
All the colours of love and of life evermore


Evermore
(I see me through your eyes)
I see me through your eyes
(Living new life flying high)
Flying high


Your love shines the way into paradise
So I offer my life as a sacrifice


And live through your love
And live through your life
I see you
I see you


Eu vejo você (Leona Lewis)
James Horner

(Eu te vejo)

Caminhando através de um sonho
Eu vejo você
Minha luz na escuridão respirando a esperança de uma vida nova
Agora eu vivo através de você e você através de mim
Encantador
Eu rezo em meu coração para que este sonho nunca termine

Eu me vejo através dos seus olhos
vivendo a vida voando alto
Sua vida ilumina o caminho para o paraíso
Então eu ofereço minha vida como sacrifício
Eu vivo através do seu amor

Você me ensina a ver
tudo que é belo
Meus sentidos tocam suas palavras eu nunca imaginei
Agora eu te dou minha esperança
Eu me rendo
Eu rezo em meu coração para que este mundo nunca termine

Eu me vejo através dos seus olhos
vivendo a vida voando alto
Seu amor ilumina o caminho para o paraíso
Então eu ofereço minha vida
Eu ofereço meu amor pra você

Quando meu coração estava fechado
(e meu espírito estava preso)
Para o mundo que você tem me mostrado
Mas meus olhos não podiam distinguir
Todas as cores do amor e da vida para sempre
e sempre

(Eu me vejo através dos seus olhos)
Eu me vejo através dos seus olhos
(vivendo a vida voando alto)
voando alto
Seu amor ilumina o caminho para o paraíso
Então eu ofereço a minha vida como sacrifício
Eu vivo através do seu amor
Eu vivo através da sua vida

Eu vejo você
Eu vejo você

I see you (video) - Leona Lewis


(música perfeita, cantora perfeita, emoção perfeita... a coreografia também será! Aguardem...)

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Entreolhares internos



Olho e vejo.
Percebo e não vejo!
Tudo quanto sei passa pelo olhar,
Mas porque ele tem que estar além da visão de enxergar?


Nem tudo que olho é estranho ao meu olhar
Dentro da novidade que me fascina e excita, intensamente.
Um certo olhar me fascina.
E, de repente, mais um, e outro, e mais outro...


Quando abri os olhos
E vi esses tantos/tontos olhos, olhares
Percebi que viver valia a pena!
Ainda hoje tenho certeza disso...

E dos incomodos dilacerantes da infância
Descobertas, medos e prazeres
Lapis de cor, brinquedos e fantasias
Nada e tudo mais sobrou

E a maturidade reina intranquila
Pois ser adulto tem suas dificuldades que tentamos resolver dormindo.
No quarto que se faz "um quarto"
Que segue, num futuro inimaginado até 52

E espero, internamente
Que as qualidades de um entardecer
Cheguem antes, nessa florescença... (vou observar bastante e, quem sabe...?)
Assim, os 25, na firmeza, serão olhados ternamente como se fossem 15 e 100...

(para mim nesta data querida...)

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Vamos borboletar?



Pra variar, a Débora não poderia deixar de me brindar com mais uma de suas pérolas, que tenho sempre o prazer inenarrável de compartir com vocês. Desta vez, contudo, não teve relação nenhuma com a cozinha (pelo menos eu acho, a não ser que contemos o pão sovado que comemos antes do ocorrido que logo saberão...) e sim com algo que ambos amamos fazer: dançar.
Aos que não sabem, no festival que o Iluminar está fazendo, ela e eu dançaremos um pas de deux (passo a dois, em francês) geralmente uma dança romantica; mas a cena que seguirá será da mais profunda e intricada comédia.
Na sequencia inicial da coreografia, depois de um pequenino solo de abertura, minha querida bailarina deveria sair de um movimento onde estava de costas para mim e fazer uma corrida simples, demonstrando leveza até eu fazer uma "pegada" (sustentar a bailarina fora do chão, para os não entendedores de ballet). O que não esperavamos (pra variar, a Jú estava junto avaliando o ensaio e confeso que nem sei de onde a Déb tirou esse movimento) é que ela, a Débora, correria muito para o lado como se fosse uma borboleta e perceberia que eu estava em outro ponto do nosso local de ensaio (eu estava no centro, como sempre), esperando para a sustentação.
Ao perceber que tinha se afastado demais, Débora deu um pequeno salto alidado à exclamação "ah!" e continou correndo, fazendo uma pequena curva na sua trajetória inicial e chegando até mim. Infelizmente não consegui continuar, porque estava me acabando de rir dessa situação.
O espanto, o constrangimento e a vergonha da expressão da Débora para concertar o movimento ficará na minha memória para sempre, além do singelo nome que dei ao movimento: "borboletar"...
Finalizando, algumas novas considerações:

1 - Talvez a Débora não possa comer pão sovado; ele deve produzir alguma substancia que altera o pensamento e o comportamento dela;
2 - Talvez a Jú, pela sua presença, faça com que a Débora fique lesada por alguns momentos... já percebemos e constatamos outros fatos que podem comprovar essa hipótese;
3 - Talvez o melhor horário de ensaio para Débora não seja à noite... o sono, o cansaço ou as fases da lua podem alterar a personalidade da Débora e ela esquece o que mais gosta de fazer;
4 - Talvez a Débora gostaria de saber como é ser uma borboleta no horário errado para fazer isso;
5 - Não entendi até agora o por que do pulinho... aff!!!

Bem, espero que gostem assim como me diverti em postar! Eu gosto muito de você Déb, não deixe seus deslizes a afetarem mais do que já afetam!!! rsrsrsrsrsrsrs...

(se não for compreensível, eu explico para quem quiser! No lugar da Déb, eu falaria "Oops... a did it again", rsrsrsrsrs...)

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Frase sentimental nº 9



Acaricia meu rosto como se fosse teu último gesto de atenção à minha alma; olha-me nos olhos como se fossem as últimas desculpas que darás em vida... me vale mais teu toque piedoso e teu olhar dorido que meu orgulho ferido de quer e não ter-te nem por um simples e último afago inexistente...

(não consegui perceber este sentimento ontem... ainda me doia muito! Hoje voltei a apreciar o "amanhecer")

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Marca musical: A força do amor



Esta música é belíssima em todos os sentidos! Apreciem e reflitam para me entender um pouquinho mais...

A força do amor (Roupa Nova)
Cleberson Horsth/ Ricardo Feghali

Abriu minha visão o jeito que o amor
Tocando o pé no chão alcança as estrelas
Tem poder de mover as montanhas
Quando quer acontecer
Derruba as barreiras
Para o amor não existem fronteiras
Tem a presa quando quer
Não tem hora de chegar
E não vai embora

Chamou minha atenção a força do amor
Que é livre pra voar
Durar para sempre
Quer voar
Navegar outros mares
Dá um tempo sem se ver
Mas não se separa
A saudade vem
Quando vê não tem volta
Mesmo quando eu quis morrer
De ciúme de você
Você me fez falta

Sei, não é questão de aceitar
Sim, não sou mais um a negar
A gente não pode impedir
Se a vida cansou de ensinar
Sei que o amor nos dá asas
Mas volta pra casa...

A força do amor (video acústico) - Roupa Nova

(meu coração está e vai continuar pulsando por você, mesmo que agora eu aceite nossa amizade...)

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Sendo um menino sapeca implicito... rsrsrs


Há algumas semanas recebi esta definição de um amigo e refletindo sobre ele, achei bastante divertido. Em nenhum momento tinha me visualizado como um "menino sapeca implicito", mas achei bastante oportuno, pelo menos na fase atual da minha vida...
E como é bom poder saber que sou sapeca às vezes (quando quero, principalmente); não no sentido de travessuras maléficas ou perigosas, mas um sapeca do bem, que constrange as pessoas a sorrirem, falarem o que realmente desejam falar, ficarem rubras e excitadas com as falas, gestos, sorrisos, olhares e tudo quanto é estímulo sensorial que sugiro para ficar mais fácil a soltura dos desejos!!! Estar sapeca tem seu lugar na vida e desafio meus leitores a dizerem o contrário, pois acredito que todos o são, mesmo que minimamente...
Também é bastante interessante ser implicito em muitas situações. Gosto de um bom mistério, principalmente se esse mistério é o que os outros acham da minha vida e do meu fazer na vida... é divertido perceber que as pessoas estão me observando com mais cuidado e ficando cada vez mais em dúvida se tudo o que eu faço é meu em realidade ou se é uma personagem criada para aquele momento, para aquela situação...
Agora, imaginem o que é ser ambos ao mesmo tempo: sapeca e implicito? Nossa... tudo o que eu poderia querer!!!! É claro que estou preparado para a contrariedade que vou causar, mas... como diria uma amiga: "morro de dó, mas nem ligo"! E o não ligar não é sinal de dar pouco importância ao outro e sim não ligar para os fingimentos e pseudopudores que os outros mostram e que não dizem em realidade o que verdadeiramente sentem; entre a mentira e o que faço, ficarei sempre com o que faço.
... (deu branco... kkkkkkkkkkkk... normal nos momentos sapeca e implicitos...)
Ser sapeca, ser implicito... tudo uma questão de ponto de vista, claro. Não nego que o seja, porque gosto de me pensar assim. Não afirmo que o seja porque precisaria de mais que alguns simples olhares e sorrisos para realmente ser um mistério total...contudo, vou continuar! Tenho me divertido dessa maneira e causado risos; quando o ser implicito deixa de ser interessante, passarei a ser explicito e, ai sim, assustar muitos que não esperam pelo meu eu real!!!

(mais um momento "sapeca implicito"... rsrsrsrsrsrs... o Breno vai gostar... kkkkkkkkkkkkkk)

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Frase sentimental nº 8

 
Embora cambaleando, sofrendo, chorando e sentindo o coração sangrar, a vida continua e me coloco no caminho incerto de um possivel novo amor...

("amanheceu"... ainda tenho vontade de ficar deitado, mas vamos lá!)

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Marca musical: Amanheceu



Depois de horas pensando, finalmente encontrei a música que diz de mim atualmente. Apreciem e se deixem levar por estas palavras...

Amanheceu
Jorge Vercilo

Amanheceu
Como num segundo
Amanheceu
Apesar de tudo
Amanheceu
Um raio no escuro
Amanheceu
Simples e absurdo
Amanheceu
Uma nova era
Amanheceu
Renasceu da guerra
Amanheceu
Um planeta mudo
Amanheceu

Era o fim da estrada
Era o fim do mundo ali
Mas o sol brilhava
Inacreditável em si

Não se imaginava
Foi o fim de tudo, eu vi
Mas o sol teimava
Em raiar e resitir

Amanheceu... (repete tudo)

E no mesmo dia
Em que a "profecia do fim"
Se revelaria,
Eu te conheci assim...

Amanheceu (video) - Jorge Vercilo

(não preciso dizer mais nada... )

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Oi


Um dia, que era como outro qualquer, mudou de repente!
Um instante, que era como outro qualquer, passou a figurar mágico em minha mente.
Um sorriso, que poderia ser disfarce ou aparente, passou a ser dado sutilmente...

Que diferença faz um simples "oi" no seu dia, no seu instante e no seu sorriso?

Mudou em mim a maneira de perceber as situações... elas se tornam menos complicadas!
Mudou em mim a maneira de ser nas vivências... as atitudes ficaram menos enroladas!
Mudou em mim o pensamento... ficou menos perturbado, ou confuso, ou complexo...

E tudo entrou em foco
Em rumo, em prumo, em assunto, em sorriso, em detalhe, em sentido, em sentimento, em virtude e até certa saudade do que não era assim...
E os "ois", "olás", "eis", "aês" e tantos outros cumprimentos até então eram pouco significativos pra mim, passaram a ser o acalanto de um dia/vida que tinha tudo para ser comum e um tanto melancólico, mas que se tornou o ponto alto, até agora, da minha semana/eternidade.

(deixo, além do carinho imensurável, um simples e significativo "OI" a todos...)

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Frase decisiva nº 1

 
Chorei tudo o que precisava, senti a dor que desejava e sofri o quanto me faltava sofrer por uma paixão. Agora recuperado de mim e por mim, continuarei a caminha, visto que o amor deve ser alegria e não tormento ou melancolia...

(a vida segue e eu vou junto... ainda vou encontrar alguém que me queira)

domingo, 12 de setembro de 2010

Como que a gente faz pra não chorar?

 
Quando era criança me ensinaram que homem não chora... aprendi então a engolir o choro!
Quando era adolescente me zombavam, dizendo que homem não chora... aprendi então a reprimir as lágrimas!
Agora enquanto adulto continuam desejando que eu enquanto homem não chore... mas me recuso a confundir meu coração!
Afinal, por que não posso chorar?
Tem algo na lei Divina ou humana que diz que homens não podem chorar?
Será que a masculidade, a virilidade ou a sexualidade é medida pela quantidade de lágrimas que alguém dispensa pelos inúmeros momentos de puro e pleno sentimento que vivencia?
Será que o homem que não chora é verdadeiramente forte ou tolo o suficiente para não admitir seus sentimentos e sensações?
Deixo quem lê na dúvida e na vivência de seus próprios conceitos e pré-conceitos...
E a criança, o adolescente e o adulto se reconciliam nesse momento, e as lágrimas de muitos anos, reprimidas e criticadas, afluem copiosamente para um soerguimento de mim, nessa nova etapa...
De mim e por mim, agora, vou chorar sempre que sentir que preciso ou achar que não consigo segurar; vou chorar a cada momento de entrega real a alguém, a cada dor afligida a mim, a cada dor que afligir ao outro, a cada alegria intensa, a cada sorriso de criança, a cada abraço profundamente sincero de um encontro real...
Não me importo com os estigmas, não me importo com os olhares e pensamentos, porque enquanto não me disserem como faço pra deixar de sentir, não tem como eu deixar de chorar!

(enquanto escrevo, choro e enquanto choro, elaboro a dor...)

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Ardente pecado, doce ilusão



Um gingado sensual movimenta sua intenção infame de seduzir-me
Teu cheiro doce misturado ao suor do teu corpo escultural inebria meu desejo
Minha pele se arrepia no contato com teus olhos intensos
Teu sorriso enviesado me convida ao pecado, que em minha mente arde intenso
E no balanço do teu corpo, eu alucino na vontade de te tocar, te possuir...
Ser teu para o que quiser de mim, satisfazer-nos!
E, entre o querer e o ter, desperto do sonho-pesadelo de ver-te e não possuir-te no meu doce pecado.


(para a apresentação que faremos - Iluminar Grupo de Dança - hoje à noite)

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Frase sentimental nº 7

 
Entrego-te meu desejo. Entrego-te meu pensamento. Entrego-te meu coração. Entrego-te tudo em mim na esperança de conquistar-te... e se, ainda assim, um raio de esperança não despontar de ti no brilho de meu olhar desesperado, não devolva-me nada, pois que eu certamente não preciso de mim para sofrer essa dor tamanha de não ter-te ao meu lado...


(a dorzinha ainda continua... espero que passe logo ou que eu te conquiste!)

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Marca musical: Você sempre será



Doi tanto quando escutamos o que não queremos...
Infelizmente a idealização é um mal comum.
Como fazer para não sofrer de paixão?
Se eu soubesse, ao certo não estaria sofrendo agora...
A marca musical é pra elaborar minha dor e conseguir me manter perante uma paixão não correspondida...


Você sempre será (Marjorie Estiano)
Alexandre Castilho e Victor Pozas

Quando a lua tentar me encontrar
Diga a ela que eu me perdi
Na neblina que cobre o mar
Mas me deixa te ver partir

Um instante, um olhar
Vi o sol acordar
Por detrás do seu sorriso
Me fazendo lembrar

Que eu posso tentar te esquecer
Mas você sempre será
A onda que me arrasta
Que me leva pro teu mar

Sinto a calma em volta de mim
O teu vento vem me perturbar
Me envolve, me leva daqui
Me afoga de novo no mar

Um instante, um olhar
Vi o sol acordar
Por detrás do seu sorriso
Me fazendo lembrar


Que eu posso tentar te esquecer
Mas você sempre será
A onda que me arrasta
Que me leva pro teu mar

Me perco nos teus olhos
E mergulho sem pensar
Se voltarei

Posso tentar te esquecer
Mas você sempre será
A onda que me arrasta
Que me leva pro teu mar

Me envolve e me leva pra longe daqui...

Me perco nos teus olhos
E mergulho sem pensar
Se voltarei...

Você sempre será (vídeo) - Marjorie Estiano

(pra dorzinha profunda em meu coração)

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Quando um amor acontece

 
A vida trás surpresas incontáveis para os desligados de plantão. Uma outra oportunidade de emprego, uma balada muito divertida, grandes amizades, uma nova paixão! E como essas surpresas fazem bem... excitam, descontrolam, confundem, acalentam mente e coração...
Geralmente é assim que o amor acontece: primeiro na confusão de um encontro inesperado, depois na conquista passo a passo entre ambos, dos "ois", dos olhares trocados, dos momentos compartilhados de risos e frustrações. O mais legal é que o amor, no seu sentido real, não tem barreiras... acontece entre todas as idades, entre todas as religiões, em todas as etnias, com todas as pessoas, desde que elas se permitam...
Permitir-se amar e ser amado não é para qualquer um; requer um envolvimento e uma entrega acima do que se pode imaginar e, mesmo contra o preconceito, ele (o amor) sobrevive.
Os exemplos que nos aparecem diariamente são tão marcantes que me permito dividir com vocês, em singelos e despretensiosos versos, a vivência de amor de um amigo (com a permissão dele, claro).


Um dia a vida me brindou com o amor,
Sem saber que o amor me brindaria com a vida...
Uma vida se passou na espera desse amor,
Sem que o amor esquecesse na porta o tempo e a alegria...

Não sei se estava preparado, mas sei que me entreguei
Não sei se estava acostumado, mas sei que eu o amei (quando o vi, quando o pensei)
E desse amor surgiu um olhar, profundo e intenso em si mesmo
E desse olhar surgiu um sorriso, sincero e real  desde o começo.

Esse olhar se perdeu no tempo e não sei pra onde foi...
Esse sorriso se perdeu no vento e uma dúvida se formou...
Mas olhar e sorriso retornaram, em igual intensidade e desejo
Um raio de sol iluminou nossas vidas e nos entregamos num beijo!

E nesse mês que completamos juntos, onde a felicidade é inquestionável
Entrego-te por completo minha alma apaziguada
Pois que teu amor selou em mim uma dádiva bem-fadada
De corpo, sorriso, olhar, beijo e alma eternizada

E para finalizar, sem que seja piegas ou clichê
Digo que te amo, sem medo e sabendo porque
Pois que da vida que me trouxeste de volta
Dou-te ela por inteiro como presente e proposta...

(para homenagear meu amigo Douglas Klein e seu namorado Vinicius Moritz)

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Sentindo o coração bater

 
Quero saber quando foi que me perdi nesse olhar fascinante?
Nada do que minha razão exprime me convence realmente do porque...
E na tentativa de rememorar o momento exato de tal fascínio, mais me percebo entregue à ele...
Intenso, definido, meigo e real. Um olhar como nenhum outro que eu já tenha visto e, ainda assim, esperado a muito tempo...

Quero saber quando foi que me perdi nesses lábio sedutores?
Nada do que meu coração exprime me convence realmente do porque...
E, mesmo sem a sensação real desses lábios nos meus, percebo que a intensidade do desejo é mais forte que a força que acreditava possuir...

Quero saber quando foi que me perdi nesse sentimento?
Nada do que vivo e penso me convence realmente do porque...
E, ainda que razão, sentimento e vivência não comuniquem fortemente em mim o que seja necessário, eu quero, espero e desejo que se torne real (de ambas as partes).

E de todas as sensações que me consomem nesse momento
A dúvida, o desejo, o arrepio e o devaneio,
O arrependimento é o que mais me corrói,
Por deixar-te ir sem um toque carinho no rosto, um beijo de despedida ou um abraço caloroso
Dizer-te ao pé do ouvido da importância daquele momento e, talvez, selar um (re) começo de algo duradouro e bom...

(para você que sabe do que estou falando...)

domingo, 5 de setembro de 2010

Jeito safado

 
Tem dias que eu acordo mais safado (e não me perguntem porque)... não é algo intencional, simplesmente acontece! E, por menos que eu pense, mais eu me percebo safado. E o mais engraçado é que tudo durante meu dia parece excitar esse meu lado incontrolável: uma olhada diferente que eu acho que me dão, uma frase que apenas eu entendo um outro sentido, serem um pouco mais gentis comigo, um toque mais intenso, um sorriso enviesado... tudo me sugere algo e tudo me impulsiona a fazer algo... mas eu me controlo! Como um heróis da mitologia ou os príncipes dos contos, eu resisto à esse mal e continuo o meu dia.
Mas, quem disse que tamanha força de vontade funciona? Os conhecidos e amigos próximos me olham ou conversam comigo e já vão falando: "nossa, você está com uma cara safada hoje!"; "que foi que você está mais safado hoje?"; "ai, Éverton, deixa de ser safado!" ... e eu juro que não fiz nada que pudesse suscitar esse pensamento neles... é algo espontâneo em mim nesses dias!
Há quem diga que eu sempre fui assim (e não duvido de todo dessas opinião, rsrsrs); afirmam ver nos meus lábios um sorriso sempre matreiro, safado por natureza, que sugere a travessura, a luxuria, o desejo, a entrega, o incontrolável, o inegavelmente delicioso e delituoso... gosto de me perceber assim às vezes: irresistível ou, pelo menos, tentador, como um caminho de pecados...
Eu tento fugir disso, de verdade, mas me aparecem cada vez mais tentações. Nesses momentos meu "eu safado" diz: "Vai, é só hoje... se desfralde, se permita... depois passa!"; meu "eu racional" diz: "Você vai se arrepender se fizer isso sem pensar melhor nas consequências...". E eu, quem vive, fica nesse maldito dilema entre fazer e não fazer, ter ou não dor na consciência...

(para um momento de indecisão...)

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Esta noite



Não sei bem quando me perdi de mim e comecei a sonhar... talvez seja naquela curva torpe entre o desejo e realidade que me assolam e intrigam o pensamento; talvez seja naquele olhar distante que vi pouco antes de entrar pra casa e sentir pena daquela estranha (por que não de mim?); talvez seja naquela nota grave e melancolica da minha música preferida...
Contudo, o importante é que eu sonhei! E a cada sonho eu tinha vontade de estar acordado e pintar com lapis e papel uma aquarela de recordações e viajar na ilustração ortografada toscamente e, enfim, existir...
Não sei bem quando me perdi de mim e despertei do sonho... talvez seja naquela núvem felpuda acima de um carrossel azul marinho iluminado por velas flutuantes; talvez seja naquela disputa com um leão sagaz que escancara os dentes para minha audácia pérfica e insana (por que gosto tanto de desafios que não tenho condições de vencer? Masoquismo ou suicídio?); talvez seja naquela sensação de frio nos ombros por estar sem cobertor...
Contudo, o importante é que eu acordei! E a cada bocejo eu tinha vontade de estar dormindo e escrever com tinta e pincel um texto de vivências e sentir na redação a óleo e, enfim, chorar...
E entre acordar e dormir, viver e sonhar, a linha que separa essas divisões, para mim, é tênue e dispensável,  porque ambos os mundos e estados, e atitudes, e plenitudes, e similitudes, e... são nada (e ao mesmo tempo tudo) para mim que estou em crescimento e descoberta. O paradoxo nesse momento é o que me estimula e sustenta a decisão de fazer e querer.
Não sei bem quando sonho ou quando vivo (são situações separadas?)... as possibilidades são grandes demais para responder essa dúvida fajuta, infinitas se não estiver sendo pretencioso e, ainda assim, pouco óbvias no meu contexto de vida, turbulento por si só, intrincado por mim mesmo...

(para um momento de obnubilação, rsrs)

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Frase sentimental nº 6



Aquilo que nos consome a alma e o coração não é a paixão ou a vilania, é a indiferência pelo outro que vive dentro de nossa própria casa...

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Marca musical: Você não banca o meu sim



Os momentos de dor, revolta e frustração são dos meus preferidos para escolher músicas; desse momento dedico a Marca Músical dessa semana! Apreciem com moderação...

Você não banca o meu sim (Sandy e Junior)
Tatiana Parra, Conrado Goys, Sandy Leah

Ainda tô pra encontrar
Quem me dê a real
Que tenha algum conteúdo
Além do trivial
Que assuma os seus compromissos
E me dê atenção
Que seja o meu desafio
E a minha solução

Já permi muito tempo em você
Saí dessa de pagar pra ver
E a coragem que tá te faltando
É a força que em mim tá sobrando

Pede pra eu me entregar
E aposto como foge na hora "H"
Você não banca o meu sim
Se deixa intimidar
Eu sei, você não pode me segurar
Você não banca o meu sim

Já saquei o seu jogo
Quer me seduzir
Mas pra que tanta pose
Se você vai fugir?
Brinca com as palavras
Quer me provocar
Cão que ladra e não morde
Aqui não tem lugar

Já permi muito tempo em você
Saí dessa de pagar pra ver
E a coragem que tá te faltando
É a força que em mim tá sobrando
Pede pra eu me entregar
E aposto como foge na hora "H"
Você não banca o meu sim
Se deixa intimidar
Eu sei, você não pode me segurar
Você não banca o meu sim

Tudo o que eu quero é paz
Por isso, passar bem, até nunca mais
Você não banca o meu sim
Não banca não

Você não banca o meu sim (video making of cd) - Sandy e Junior

(perguntei se você queria e disse que sim; se não dá conta, fala não, $#@$#$%# !!!)