Estrelas do meu céu...

sábado, 24 de dezembro de 2011

Um outro natal


Ao som de "Deck the rooftop", Glee

"- Isso são horas de chegar mensagem?", penso um tanto irritado pela "Hello" que toca em meu celular evidenciando que uma mensagem acabava de chegar, às 6:15 da manhã.
Espreguiço longamente, relembro alguns fatos da noite finda, percebo o que se passa à minha volta e me alegro: é véspera de natal!!!
Mais do mesmo depois disso: mais espreguiço, oração, me arrumar, café da manhã, espreguiço, compras de última hora, mensagens para todos os conhecidos pelo celular, chocotone com leite, lembranças das pessoas que amo, lembrança das que eu queria que estivesse comigo nesse dia (uma em especial pela eternidade), correria... tudo como, para mim, deveria ser!
No almoço, muito barulho: família reunida é tudo igual, eu acho... risadas, falação alta e brincadeiras bobas!
Só para não perder o habito, a tarde entrei na net um pouco para desejar e receber os companheiros virtuais os desejos de felicidades nesse natal e tentar colocar em dia minhas séries favoritas.
Abraços e felicitações distribuídas pessoalmente aos melhores amigos (os que consegui ver, faltaram alguns infelizmente) e expectativa para a ceia à 00:00 horas.
Minhas irmã teve as "honras da casa" este ano e fez uma oração que me tocou muito! Agradeci a mesa farta, pedi consolo, força e perseverança para os que sofrem, imaginei Jesus menino nos braços de Maria, observada de perto por José, envolvidos na luz intensa de seus amores e evoluções inimagináveis e deixei algumas lágrimas descerem por meu rosto...
Depois, abraços na minha família, a "sagrada" que Deus me deu nesta vida, comer um pouco (não dá pra entrar em 2012 fora de forma, rs), atender algumas ligações inesperadas e esperadas que balançaram meu coração sentimental no dia e arrumar a cozinha (um dos meus presentes de natal para minha mãe, rsrs); acho que os pratos e vasilhames estão brotando... nunca vi tanto pra lavar!
Um bocejo diz do sono que chegou; meu sapato 43 colocado aos pés da árvore de natal diz que nesta noite, nesta data, sempre vou voltar a ser criança, esperando meu presente na manhã seguinte; meu coração acalentado por inúmeras pessoas de meu bem querer afirmam o quão grandioso é amar, mesmo à distância...

(mais um natal com vocês, meus leitores queridos... Feliz Natal a Todos!!!)

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Sonho?


Ao som de "I'm a slave 4 U", Britney Spears

"- Você quer?" - me pergunta ao pé do ouvido, sem deixar de agarrar cada centimetro do meu corpo.
"- Eu quero!" - respondo entre excitado e temeroso. O lugar é adequado?
De repente, tudo parece fazer sentido: seu corpo toma forma no meu e nos encaixamos como se fossemos feitos um para o outro. De que vale essa diferença de tamanho? Mãos, pernas, desejos... tudo conectado e expressamente liberado. Hoje podemos tudo!
E enquanto vai descendo sua lingua pelo meu peito, depois de ter tirado minha camisa com certa pressa, alternando entre mordidinhas e beijos doces, fecho os olhos e me entrego ao prazer... um suspiro me escapa, um gemido excitado arrepia meus pêlos, enquanto suas mãos redesenham meu corpo de maneira única, demorando-se nas partes que te agradam mais.
Onde estava esse olhar safado que não encontrei antes?
Vou deixando você tomar atitude... parece lhe agradar mais! Seus dentes percorrem todo meu corpo, sedentos de mim; eu simplesmente sussuro "- Sou todo seu!"...
Me agarra com força, puxa meus cabelos enquanto minhas mãos descem para o ziper da sua jeas. Seu olhar se intensifica no meu, meu sorriso se abre, minha roupa já está no chão; tiro depressa a sua e simplesmente me entrego a tudo que meu corpo pede naquele momento.
...
"- Alô..." - digo sonolento sem olhar de quem é a chamada.
"- Bom dia! Uai, ainda dormindo?" - uma risada se faz ouvir do outro lado da linha.
"- Quem fala?" - meu cérebro não estava funcionando direito.
"- Ah, valeu viu?!" - finge mágoa e dá uma risadinha.
"-Ah... oi... bom dia" - também sorrio entre um bocejo e um espreguiço...
Viajo à velocidade do pensamento, repasso tudo de algumas horas atrás e, enquanto continuo a conversa por telefone, relembro os detalhes corpo-sensação-lembrança e suspiro pensando que quero mais!

(O calor definitivamente afeta minha escrita, rsrsrsrs)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Fio


Ao som de "My reflection", Christina Aguilera

Um turbilhão passou por minha mente quando me vi pelo espelho do banheiro. Achei que fosse ilusão da luz ou meus olhos que ainda não se abriram de fato para o novo dia que nasceu ha algumas horas. Sei apenas que fiquei encarando aquela pequena parte de mim que demonstrava o que vinha acontecendo desde que nasci: um fio de cabelo branco em minha cabeça me dizia que eu estava envelhecendo!
Sei que é o primeiro de muitos (e quero que venham muitos... acho muito charmoso, não acham?) mas este é especial! Como esperei até que chegasse... Queria que tivesse vindo há alguns anos, aos 15 para ser exato, como prova inconteste de que estava maduro o suficiente para ficar até a 1:00 da manhã na balada com meus amigos, ou aos 16, quando quis fazer minha primeira viagem totalmente sozinho e responsável por mim mesmo...
Engraçado como esse pequeno fio branco em uma cabeça cheia de cabelos cacheados e pretos fez diferença para mim. Meu coração disparou e percebi que o nó em minha garganta não era de tristeza, visto que nunca temi a velhice como muitos da sociedade atual, e sim de uma alegria e orgulho indescritíveis.
Para mim, este fio é um sinal de que estou vencendo, entre trancos e barrancos, as dificuldades da vida; um sinal de que a maturidade, mesmo aparente, finalmente me chegou (no momento exato) e que estou pronto para desafios maiores; sinal de que as responsabilidades que estou querendo assumir estão ao meu alcance e que sou eficientemente capaz de vencer (às vezes tinha dúvidas... engraçado como esta pequena "prata" me fez acreditar ser possível)!
A vida não me assusta tanto quanto antes (engraçado, né?!); os amores que tive, ainda me doem, mas não me fazem sofrer por ora. Os amores que vou ter não me farão sofrer porque não vou deixar que aconteça...
Ainda sou o Ton, o Tonton, o Bailarino, o Evérto, o Boizão, o Nego e tantos apelidos quantos recebi ao longo desses 26 anos bem vividos. Também continuo sendo o mesmo sapeca implícito, o mesmo brincalhão, o mesmo sério demais, o mesmo responsável, o mesmo safado e tantas outras definições que recebi nessas trajetórias que percorri... Mas hoje, mais que nunca, me sinto plenamente Éverton, homem em construção, menino em desenvolvimento e Ser Humano comum e complexo, com muito pra viver e aprender, com muito para ser e ajudar outros a serem!

(diário explicito para dizer: Eu, simples assim!)

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Asas



Ao som de "Fighter", Christina Aguilera

Vi seu olhar de dor quando recebeu a notícia e percebi como a ferida foi profunda em seu coração.
Vi a força de sua escolha e a coragem de suas atitudes enquanto sangrava silenciosamente, em lágrimas ocultas, perante o punhal que lhe atravessava a alma sinceramente branda e pacífica...
Que posso fazer para diminuir a dor que te sufoca? Meu ombro, braços e abraços estão aqui, prontos para te afagar a traição inimaginada.
Mas o que é a vida sem essas pedra que aparecem no caminho? Que sentido tem seguirmos sem que os pés cansem ou sangrem um pouco para darmos valor à caminhada? Uma ave que voa pela imensidão não precisa cansar e fortalecer suas asas no treino para alcançar voos cada vez mais altos? E, o que é a vida senão, mesmo com todas as dores, dificuldades e trabalhos, expressão plena de amor pelo que se faz?!
Sabes que tentam nos parar, aprisionar e vencer, mas o movimento apenas cessa quando a vida deixa de existir e mostras tanta vida enquanto dança e faz brilhar seu sorriso por entre os pliès e arabesquès que é impossível parar sua subida constante (talvez por isso você foi e sempre será um dos membros do "Asas")...
Infelizmente, nem todos entendem a grandeza de um sacrifício, visto que sacrificar para muitos é ser fraco ou ser bobo. Não vejo bobagem numa entrega pelo que se acredita, uma vez que esses movimentos vem do coração... não vejo pequenez em ser o que se é, mesmo que outros tentem pintar uma ilusão aos próprios olhos.
Siga... siga sempre, mesmo quando pareça mais difícil! A árvore apedrejada é aquela mais abundante e que produz os frutos mais suculentos... é o seu caso!
E, se ser cristão é saber se humilhar quando preciso, é também saber bater a poeira das sandálias e continuar a caminhar para Jesus.

(para Juliana Soares... você entende o que quero dizer, né?! Te amo e estou sempre aqui!!!)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Marcas tristes de momentos bons


Ao som de "If I knew then". Lady Antebellum

Parece que a vida ri ironicamente das lembranças quando, "sem querer querendo", ouço nossa música na rádio (nossa?). É estranho conceber um mundo de lembranças dolorosas, quando foram construídas em momentos tão gostosos de carinho, cumplicidade e intimidade... ai se eu pudesse parar o mundo, fugir da nostalgia torpe que me invade e explodir-me coração e mente em um milhão de pedacinhos!
Quem sabe assim meu amor não ficasse eternizado em cada partícula de poeira cósmica que navega pelas estrelas incontáveis do universo?! Quem sabe essa chuva galáctica não mostre aos frios corações como é bom amar, mesmo que a dor venha depois?! Quem sabe por alguns milésimos de segundo, quando visse como o céu parece mais estrelado, seu pensamento voltasse para mim e minha fragmentação fizesse algum sentido depois do seu partir...
Meu olhar se perde na janela entreaberta do quarto e me pego tentando lembrar onde ainda guardo os objetos-elos que mantenho desse passado que foi bom, enquanto vejo as nuvens formarem uma leve tempestade em homenagem à música que toca no rádio. Faz sentido guardar o que não significa nada hoje (pra você)?
Descalço as chinelas e vou para fora de casa caminhar sem rumo... andar na chuva torrencial parece bom para misturar gotas e lágrimas, dor e saudade!

(que a chuva leve também esse descompasso no peito desse diário explícito)