Estrelas do meu céu...

domingo, 28 de julho de 2013

Quando a dor fala mais alto...


Ao som de "Idaho", Nerina Pallot

Eu não sou um homem forte.
As dores, as angústias, as lembranças de uma felicidade a dois que já não existe minam minha fé de que um dia tudo será melhor.
Não faço porque quero; seria um contra senso ao que prego e acredito do fundo do coração. Apenas acontece assim... sem mais, nem menos.

E quando minha fraqueza se mostra tão forte, motivada pela insegurança, não vejo nada além de uma nuvem de lágrimas que tolda minha visão.
Esta "cegueira" é estranha, mas não incomum em situações assim...

"Serei seu por toda esta encarnação e por todas as reencarnações que Deus nos der juntos", "Eu preciso de você mais do que você precisa de mim", "Que sorte eu tenho de ter você"... todas frases que me disse e que ficaram gravadas em mim, como cicatriz de queimadura. O que faço que essas promessas e lembranças de felicidade e amor, agora?

- e de novo bate a dor, e de novo eu não paro de chorar...

Nesses momentos eu me agarro mais forte a Deus.
Nem à psicologia - que me sustenta como profissão, nem às palavras de carinho que amigos queridos (e infelizmente distantes) me dirigem. Apenas a Deus.
Não sei explicar como, mas Ele consegue abrandar essa dor crescente e desesperante!

"Por favor, meu Senhor e meu Deus... faz essa dor parar! Faz eu ser paciente e resignado. Faz eu ser lembrar que o futuro que me espera é de luz, verdade e amor...", peço ao Pai no silêncio da minha dor.
Imediatamente faço o desesperado pedido que venho fazendo ha dias, entre lágrimas e saudades: "Traz meu amor de volta... ele completava minha felicidade e minha vida e sem ele tem um grande vazio em mim, meu Deus...por favor, traz ele de volta..."

Engraçado como fico esperando a resposta de Deus; não uma direta, porque não tenho evolução espiritual suficiente para ter diretamente com Ele, mas ainda assim eu espero...
Talvez uma ligação, talvez um sms, talvez um sinal no coração de que "foi melhor assim". Nada do que espero acontece, mas sei que Ele está trabalhando para fazer o melhor pra mim!

Enquanto espero, tento fazer o melhor de mim...
E se essa saudade e dor aparecerem de novo, repentinamente, vou chorar como sempre, na esperança de que um dia eu consiga ser mais forte às investidas do medo, da solidão e do arrependimento.

(cada esquina ou assunto me lembra você... :'(  )

Um comentário:

Anônimo disse...

Que bom que nunca passamos por aquilo que Ele sabe que não conseguimos suportar e superar...