Estrelas do meu céu...

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Alguém sabe responder?


Por que será que hoje resolvi sair da cama? Estava de folga mesmo... não tinha sentido! Mas ainda assim escolhi sair. Eita decisão idiota!
Pra variar, meu pescoço estava duro (já disse que preciso comprar outro travesseiro); meu celular descarregado, minha janela emperrou... por que não percebi os sinais claros demais de que eu deveria voltar pra cama e dormir mais... fazer hora; ainda assim briguei contra os recados e sai do quarto.
A sensação passou durante o café, que foi como sempre; "Deve ser coisa da minha cabeça", pensei rapidamente, tentando planejar como aproveitaria meu dia. Ah, mas como eu estava enganado em certos pontos... primeiro o PC se recusou a ligar ("Ah, ele já está velho mesmo... deve estar precisando trocar..."), depois ficou travando praticamente a manhã toda, minha mãe e minha irmã me encheram a cabeça pelo menos por duas horas, o arquivo que estava baixando cancelou "misteriosamente" quase no fim e não consegui editar a música para a nova coreografia do ballet. Depois disso tudo, quando finalmente disse: "Desisto, vou voltar pra cama", lembro que adiantamos o ensaio do ballet para as 13:00 horas e faltavam exatamente 3 minutos para as 13... desesperado pela casa, pego tudo o que preciso e saio correndo, sem almoço ou um lanchinho que fosse...
No ensaio correu tudo bem (tirando a sapatilha que esqueci); na verdade, muito melhor do que eu poderia esperar! A dança tem o grandioso dom de fazer com que tudo dê certo ao meu redor...
Suado, cansado e dolorido (mas de muito bom humor), volto pra casa escutando música (outro santo remédio) e viro o pé! Queria ter pensado que é um sinal de que tenho pé, ou que foi uma maneira de prevenir algo pior, mas meu único pensamento foi: "Aaaaaaaaaaaaah, seu #%¨@$%+*#$!#&% " (não costumo falar palavrões, mas voltei a ficar tão estressado que apenas agora me dei conta do que fiz na hora).
De volta à minha casa, mancando, lembro que tenho mais um milhão de coisas que meu conturbado dia me impossibilitou e que, amanhã, será muito pior com o acumulo! De repente sinto minha cabeça girar, o ar faltar, o coração acelerar...
Nessas horas em que o desespero vem, tenho três atitudes na seqüência: mordo o travesseiro e grito até cansar, choro até me acalmar e oro pra conseguir, de certa maneira, força e estímulo pra continuar...
Mas aquela pergunta... aquela perguntinha, mínima, insignificante e que faz tanto sentido não para de me assaltar: "Por que será que hoje eu levantei da cama?"

Um comentário:

André disse...

Geralmente a gente se faz essa pergunta quase todos os dias, pois, geralmente as coisas não são da forma que nós queremos que elas sejam. E eu digo que bom, como no ocorrido que você transcreveu, as vezes, foram realmente sinais para pura e simplesmente existir aquele descanso, mais, se formos pensar em outro prisma, nosso pensamento tem que ser voltado para a idéia do nada é por acaso, agradeça que foi só um de seus pés virou, que não foram os dois, lembrei do emanuel e do chico, quando chico reclamou do olho, emanuel falou que ter dois olhos é privilégio, imagina então a pessoa ter dois pés ausaush. Como a dança é descrita no texto, uso a seguinte metáfora, de um baile no destino, alias, o único destino certo que nós temos é a evolução, o destino é o contrário ao livre arbítrio. O que fazer? Pegue uma muleta e faça uma caminhada auhsuahsuahsua.

A sim a pergunta: "Por que será que hoje eu levantei da cama? - pelo mesmo motivo que levantamos todo dia, pura e simplesmente para viver e sobre tudo aprender, principalmente com as experiências mais frustantes, que são nada mais nada menos que uma certa ajuda para a aquisição da abnegação.

Abraços!!!!